estagiários

ESTÁGIO. É COISA DE PROFISSIONAL

Quantas pessoas não começaram sua vida profissional através de algum estágio, não é mesmo? É uma porta de entrada muito comum no mundo corporativo e uma grande oportunidade para serem dados os primeiros passos na carreira.

Compreenda que se trata de uma oportunidade única para aprender muito sobre a organização aonde você está e obter chances reais de trabalho e continuidade na empresa que o recebeu.

Mas cuidado! Normalmente com pouca idade ao ingressar no estágio e dependendo do meio em que se encontre, você poderá sofrer algumas influências nem sempre positivas de pessoas descompromissadas e muitas vezes alheias à importância deste momento em sua vida.

Para evitar isso o ideal é que você possa contar desde o momento de seu ingresso com um mentor. Alguém com experiência de vida e de empresa e em quem possa confiar plenamente.

Poderá encontrar estas pessoas em sua própria casa. Caso contrário procure entre amigos de seus pais, tios, primos, pais de seus amigos, enfim.

Não se intimide. Saiba que muitas pessoas aguardam somente um convite para poder ajudá-lo nesta jornada conversando com você sempre que precisar. Estas trocas de opinião podem ocorrer na frequência combinada previamente ou dependendo de sua necessidade, na  modalidade presencial ou mesmo por whatsApp, telefone, Skype, etc.

O importante é que você possa dividir todas as suas dúvidas do dia a dia, por mais tolas que possam parecer, evitando adotar qualquer atitude errada diante de determinadas situações e que não contribuirão com seu crescimento profissional e pessoal.

Veja a seguir 14 grandes exemplos da história e que mostram o sucesso de pessoas que começaram como estagiário e chegaram até o topo, assumindo a presidência da empresa:

Adilson Antonio Primo, 57, presidente da Siemens no Brasil.
Engenheiro elétrico formado pela Escola Federal de Engenharia de Itajubá (EFEI), em Minas Gerais, começou sua carreira como estagiário na Siemens AG, na Alemanha, nos setores de geração, transmissão e distribuição de energia no período de 1977 a 1980. Voltou ao país e seguiu carreira executiva na empresa até se tornar presidente da Siemens no Brasil em 2001.

Alexandre Schiavo, 41, presidente da Sony Music.
Formado em Administração pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC/RJ), Schiavo entrou na Sony como estagiário em 1992. Trabalhou no departamento de marketing estratégico, vendendo produtos para empresas. Mesmo sem ter sala ou mesa (sentava em cima de uma pilha de papéis na sala de seu chefe), obteve sucesso nas vendas. Foi promovido a coordenador e em seguida supervisor e gerente de marketing estratégico. Chegou a diretor de marketing internacional em Nova York. Em 2005, assumiu a presidência da gravadora.

Andrew Gray, 44, ex-presidente da Souza Cruz.
Começou a trabalhar como estagiário na companhia em 1986, na área de Marketing. Foi presidente da Souza Cruz entre março de 2006 a dezembro de 2007. Atualmente é diretor responsável pelas operações da British American Tobacco na África e Oriente Médio.

Gustavo Marin, 52, presidente do Citibank.
Marin começou sua carreira no Citibank como trainee executivo no Departamento de Crédito em Montevidéu, Uruguai. Era o ano de 1981 e ele acabara de se formar em finanças pela Universidade de La República daquela cidade. Após ocupar diversos cargos, foi presidente do Citi no Paraguai e no Peru e, em 2005, assumiu a presidência do Citi Brasil. Em 2010, além desse cargo, tornou-se responsável pela gestão do Citi no Cone Sul (Argentina, Paraguai e Uruguai). É membro ativo de diversas entidades, entre elas o Conselho de Diretores da Federação Brasileira dos Bancos (Febraban) e do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social da Presidência da República.

Harro Burmann, 42, presidente da Dana América do Sul.
É formado em engenharia mecânica pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e pós-graduado em engenharia da qualidade pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC/RS). Ingressou na Dana em 1989 trainee na Divisão de Forjados, exercendo cargos com responsabilidade crescente. Chegou a gerente de divisão em 1996. Foi para Sorocaba (SP) em 2000 como gerente e, em 2003, é nomeado vice-presidente de Tecnologias em Manufatura para o Mercosul. Em 2004, foi transferido para os Estados Unidos como diretor global de operações. Volta ao Brasil três anos depois para ser vice-presidente da Cadeia de Suprimentos Integrada, passando um ano depois a presidente da Dana América do Sul.

Ivan Zurita, 57, presidente da Nestlé no Brasil.
Ivan Zurita começou sua carreira na Nestlé em 1972, quando ainda era estudante de economia na Universidade Presbiteriana Mackenzie, em São Paulo (SP). Passou por diversas áreas da companhia no Brasil e no exterior, entre eles os responsáveis pela produção de iogurte, sorvetes, bebidas, lácteos e produtos culinários. Em 2001, assumiu a presidência da empresa no Brasil.

Laércio Cosentino, 50, presidente da Totvs.
Formado em engenharia elétrica pela Escola Politécnica de Engenharia da Universidade de São Paulo, iniciou sua carreira como estagiário na Siga (Sistema Integrado de Gerência Automática) em 1978. Cinco anos depois, participa da transformação da empresa na desenvolvedora de softwares Microsiga, já como sócio de seu antigo patrão. Essa empresa é hoje a Totvs, considerada a sétima maior na área de softwares de gestão empresarial do mundo.

Luiz Fernando Edmond, 44, ex-presidente da Ambev.
Engenheiro de produção formado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), entrou na Ambev no ano de 1990 na primeira turma de trainees da empresa, ainda denominada Cervejaria Brahma. Atuou nas áreas comerciais, de operações e de distribuição da empresa. Em 1996 tornou-se diretor regional da multinacional na Argentina. Nove anos depois, em 2005, voltou ao Brasil para assumir a direção geral da Ambev, cargo que ocupou até 2008.

Jack Welch, 75, ex-presidente de CEO da General Eletric.
Engenheiro químico formado pela Universidade de Massachusetts, começou a carreira em 1960, como trainee da General Electric Company, nos Estados Unidos. Em 1972 já era vice presidente da empresa, a qual passou a presidir em 1981. Sua passagem por 20 anos à frente da GE, onde aplicou várias inovações gerenciais, o transformou em um dos mais respeitados líderes de negócios do mundo. É autor de best sellers de gestão de empresas. Aposentou-se na General Electric em 2001, aos 66 anos, e hoje é dirige sua empresa de consultoria.

Kees Kruythoff, 43, presidente da Unilever Brasil.
Holandês, formado em economia, o presidente da Unilever Brasil Kees Kruythoff começou sua carreira na Unilever ainda como trainee da área de marketing na Holanda, em 1993. Em 1999 ele foi para a África do Sul como vice-presidente da área de alimentos. Seguiu em 2002 para Ásia com a missão de expandir a empresa. A partir da sede em Xangai, foi o responsável pela construção da marca Lipton em todo o nordeste do continente: Japão, Coréia, China, Taiwan e Hong Kong. Chegou ao Brasil em 2007 para assumir a presidência brasileira em 2008.

Marcos De Marchi, 54, presidente da Rhodia América Latina.
Enquanto ainda cursava engenharia mecânica têxtil na Faculdade de Engenharia Industrial (FEI) em 1978, iniciou sua carreira como estagiário na fábrica da Rhodia de Santo André (SP), uma unidade têxtil da empresa. Já havia passado por outras duas experiências de estágio até entrar na Rhodia. De 1999 a 2001 passou para o setor de negócios e foi o responsável pela Technical Fibers na América do Sul, passando a vice-presidente mundial dessa unidade na Suíça. Em 2004, volta ao Brasil e assume a presidência da Rhodia na América Latina.

Nei Schilling Zelmanovits, 45, CEO da Machado, Meyer, Sendacz e Opice Advogados.
Formado bacharel pela Faculdade de Direito da USP, entrou no escritório em 1986, como estagiário, cursando o quarto ano da faculdade. Em 2007, além de sócio passa a ser o CEO do escritório.

Paulo Sérgio Kanikoff, 36, presidente da Audi no Brasil.
Kanikoff ingressou na Volkswagen do Brasil aos 18 anos de idade como estagiário, quando ainda estudava administração na Universidade Presbiteriana Mackenzie. Em 1998, foi promovido ao cargo de coordenador administrativo da montadora e começou uma trajetória executiva até em 2004 assumir a diretoria de Vendas e Marketing da empresa no Brasil. Em 2009, Kanikoff passou a presidente da Audi no país, empresa do grupo Volkswagen.

Pedro Melo, 48, presidente da KPMG.
Após concluir o curso de contabilidade e a pós-graduação em análise contábil financeira, ambos os cursos pela Universidade São Judas Tadeu (SP), Pedro Melo, em 1981, ingressou na consultoria KPMG como trainee. Chegou à presidência da empresa no Brasil em 2008.

Encontramos uma infinidade de exemplos de pessoas que iniciaram sua vida profissional como estagiários e chegaram à posição de liderança dessas mesmas empresas aonde começaram.

São casos que comprovam o quanto é importante se levar a sério o estágio ou programas de trainee e aproveitar esta oportunidade como uma verdadeira chance de ouro em sua vida.

Reflita! Tenha um ótimo estágio!

Benhur Teixeira

Deixe uma resposta