LIDERANÇA – CONFORME JACK WELCH “NÃO SE TRATA SÓ DE VOCÊ”

Quem é: Jack Welch começou sua carreira na General Elétric Company e, em 1981 tornou-se o oitavo chairman e CEO da empresa. Durante seu mandato, a capitalização de mercado da empresa aumentou em US$400 bilhões, transformando-se na organização mais valiosa do mundo.

Entre outras atividades foi consultor de um grupo de CEOs de empresas da Fortune 500, palestrante para pessoas de negócios e estudantes de todo o mundo e escritor de best- seller: Jack definitivo (Campus-Elsevier).


Um dia você se torna líder.

Numa segunda feira, você está executando suas tarefas de sempre, satisfeito com seu trabalho, tocando um projeto, conversando com os colegas sobre a vida e o trabalho, e fofocando sobre a burrice da gerência. E na terça-feira você é a gerência. Você é o chefe.

De repente, tudo parece diferente – porque é diferente. A liderança exige outros comportamentos   e atitudes, e para muitas pessoas tudo é inédito na nova função.

Antes de se tornar líder, o sucesso se limita ao próprio crescimento. Quando você se torna líder, o sucesso depende do crescimento dos outros.

Sem dúvida, muitas são as maneiras de ser líder. Basta olhar para o desembaraço e a espontaneidade, para a tarimba e a malícia, e para a objetividade de Herb Kelleher, que dirigiu a Southwest Airlines durante trinta anos, de um lado, e para a criatividade e inventividade discretas de Bill Gates, da Microsoft, para saber que os líderes surgem sob todas as formas possíveis. Em política compare Churchill e Gandhi. No futebol, Garrincha a pelé.

Cada um desse líderes lhe daria uma lista diferente de “regras” de liderança.

Se você me perguntasse eu lhe daria oito. Elas não pareciam regras quando eu as usava. Pareciam apenas a maneira certa de liderar.

Ao longo dos últimos anos durante minhas conversas com estudantes, gerentes e empreendedores, sempre ouvi perguntas sobre lideranças. “O que os líderes realmente fazem?”, por exemplo, e “Acabei de ser promovido e nunca liderei nada antes. Como posso ser um bom líder?”

O problema da microgestão sempre surge como área de preocupação, como em “Meu chefe acha que precisa controlar tudo – isso é liderança ou tomar conta de criança?”. Do mesmo modo também o carisma é objeto de muita curiosidade.

Em geral, as perguntas são do seguinte tipo: “Você pode ser introvertido, discreto e até tímido e ainda conseguir resultado com as pessoas?” Uma vez em Chicago, alguém na platéia perguntou: “Tenho pelo menos dois subordinados diretos que são mais inteligentes do que eu. De que maneira eu poderia avaliá-los?”

Perguntas como essas me forçaram a refletir sobre minhas próprias experiências de liderança durante quarenta anos. Ao longo de décadas as circunstâncias foram muito variadas . Liderei equipes com três pessoas e divisões com trinta mil.

Gerenciei negócios que estavam morrendo e outros que explodiam em crescimento. Passei por aquisições, desinvestimentos, crises organizacionais, momentos de sorte inesperada, tudo em fase de prosperidade ou de depressão na economia.

No entanto algumas maneiras de liderar sempre pareceram dar certo. Elas se transformaram nas minhas “regras”.

O que os líderes fazem         

1 – Os líderes são incansáveis em melhorar a equipe, usando todos os encontros como oportunidades para avaliar, treinar e reforçar a autoconfiança.

2- Os líderes se empenham para que as pessoas não só compreendam a visão, mas também para que a vivenciem e respirem.

3- Os líderes se põem no lugar de todos, transpirando energia positiva e otimismo.

4- Os líderes angariam confiança com franqueza, transparência e reconhecendo os méritos alheios.

5- Os líderes tem coragem para tomar decisões impopulares e agir com base no instinto.

6- Os líderes questionam e instigam, por meio de uma curiosidade constante que se aproxima do ceticismo, esforçando-se para que suas perguntas sejam respondidas com ação.

7- Os líderes inspiram a assunção de riscos e o aprendizado constante, dando o exemplo.

8- Os líderes comemoram.

Aguarde pelos novos posts deste ícone do mundo empresarial.

Até breve!

Benhur Teixeira – Equipe Tête-à-Tête

 

Deixe uma resposta