Compliance é uma palavra de origem inglesa, que advém do termo “to comply with”, ou seja, “agir de acordo com”. Portanto, significa agir de acordo com alguma norma, lei, diretriz ou política interna e externa.

Atualmente o compliance funciona como um sistema de gestão empresarial, responsável por assegurar que uma empresa esteja de acordo com as leis, diretrizes e políticas externas e internas.

O objetivo de uma gestão compliance é fazer com que a boa reputação da empresa seja preservada, mantendo-a longe de qualquer escândalo de corrupção ou fraude, seja na área financeira, jurídica ou administrativa.

Todo esse processo de gestão é baseado nas normas dos órgãos reguladores, como os municípios, estados, normas federais e até mesmo da própria empresa.

Como um Programa de Compliance é implementado em uma empresa?

Para que uma empresa tenha um Programa de Compliance ou um Programa de Integridade implementado, alguns passos primordiais precisam ser seguidos.

Primeiro é feito um diagnóstico de riscos da empresa. Essa análise é realizada com base nos valores éticos da instituição e tem por objetivo encontrar possíveis situações em que esses valores podem ser violados, seja nas esferas jurídica, corporativa, estratégica ou administrativa.

Essa primeira fase é importante pois é a partir do resultado desse diagnóstico que o consultor e os responsáveis pela empresa têm conhecimento do que pode ser nocivo para a integridade da instituição.

segunda fase é a gestão dos riscos encontrados no diagnóstico. Neste momento é feita uma fusão do manual do compliance com os valores e possíveis riscos da empresa. Isso deve ser apresentado e seguido pelos funcionários, sócios, clientes e fornecedores.

Essa fase é importante para que todos que pertencem à instituição tenham conhecimento dos possíveis riscos que a empresa corre e como podem evitá-los no dia a dia de trabalho.

terceira fase é criar antídotos que evitem que os possíveis riscos efetivamente aconteçam. Isso é importante para que a empresa tenha sempre capacidade de agir imediatamente diante de qualquer situação que coloque sua reputação em risco.

quarta fase é o monitoramento e gestão de relatórios que funcionam como a manutenção de todas as fases anteriores.

É importante salientar que um Programa de Compliance é constantemente reavaliado e ajustado, pois tem o intuito de sempre estar atento a novos riscos prejudiciais à empresa.

Quais são os benefícios do Compliance para as empresas?

Há alguns benefícios que um programa de integridade com o compliance traz para uma empresa. Alguns deles são:

Vantagem competitiva

Por ser uma empresa com monitoramento constante para não haver fraudes e corrupções, quem adere a um programa de integridade como o compliance, consegue manter uma boa reputação no seu ramo.

Isso gera, automaticamente, uma grande vantagem competitiva com outras empresas que não possuem programas de integridade.

Prevenção de riscos

Por prever riscos de corrupção e fraudes, automaticamente empresas que aderem ao compliance conseguem prever prejuízos financeiros, administrativos, e até mesmo problemas jurídicos e estratégicos.

Isso ajuda a manter a reputação da empresa como cuidadosa com seu próprio futuro, se tornando mais confiável.

Boa reputação e credibilidade no mercado empresarial

Por ter um cuidado maior com a transparência dos seus negócios, uma empresa que implementa um sistema compliance se torna mais confiável tanto para os seus clientes, como para fornecedores e investidores.

Sendo assim, a instituição constrói uma boa reputação dentro do mercado empresarial, transmitindo credibilidade para qualquer pessoa ou empresa que queira estabelecer um relacionamento com ela.

Como surgiu o compliance?

O compliance obteve seu primeiro registro nos Estados Unidos da América, em 1913, quando foi criado o FED: Federal Reserve System, também conhecido como o sistema de bancos centrais dos EUA.

O FED era responsável por manter a fiscalização para que todos os bancos estadunidenses estivessem de acordo com as leis do país, evitando qualquer esquema de corrupção bancária.

Em 1972, ocorreu um grande escândalo político que acusou o então presidente dos EUA, Richard Nixon, de pagar funcionários para espionar clandestinamente o partido de oposição. Após esse e outros problemas de corrupção que se seguiram, foi criada em 1977 a FCPA: Foreign Corrupt Practices Act, a Lei anti-corrupção transnacional norte-americana.

Essa lei tem por objetivo manter o governo e as empresas em plena transparência nas questões contábeis, além de combater a corrupção internacional. Após sua criação, o Reino Unido também implementou uma lei de integridade e transparência, chamada Bribery Act. No Brasil, a lei anticorrupção (12.846) foi criada em 2013.

Todas essas leis e sistemas de controle dão origem ao compliance. Cada uma delas indica o caminho da transparência contábil, jurídica e administrativa a ser seguido por empresas públicas, privadas e até mesmo o governo.

Quais as características do programa compliance?

Um programa de compliance tem características que beneficiam não só as empresas, como seus sócios, funcionários e clientes. Algumas das principais são:

  • Fornece e constrói uma identidade para a sua empresa, ajudando a elaborar e moldar uma cultura própria e dinâmica;
  • É fortemente detalhista para analisar os possíveis riscos que uma empresa corre;
  • Está sempre de acordo com as leis e diretrizes do país;
  • Promove um canal de denúncia anônimo e seguro, dentro da própria empresa, para que atitudes ilícitas sejam comunicadas;
  • Consegue ter uma visão global da empresa, em todas as áreas de atuação.

Quem sabe você não implementa esta boa ideia na sua empresa?

Até mais!

Equipe Tête-à-Tête