Pense em um prato com alimentos frescos, legumes, ervas, vinhos e frutos do mar. O que vem à sua mente? Se imaginou a cozinha mediterrânea, saiba que você pode ser considerado um expert em gastronomia!

Vista como uma das mais saudáveis do mundo, a culinária mediterrânea tem como principal característica a utilização de produtos naturais, alinhado a um sabor e um aroma inigualáveis.

As receitas não contam com frituras e a maioria dos alimentos é cozida. Não é à toa que uma pesquisa realizada pela Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, mostrou que a culinária da região mediterrânea proporciona maior longevidade, evitando até doenças como o câncer.

Se quer saber mais detalhes sobre essa saborosa gastronomia, continue lendo este post. Você vai descobrir quais são os ingredientes base dos pratos e entender porque ela é tão saudável. Acompanhe!

A origem da cozinha mediterrânea e suas características

A cozinha mediterrânea é tão importante e marcante que sua origem é disputada por países europeus e do norte da África. Além disso, alguns levam essa tradição mais a sério, como é o caso da Espanha, Itália, Marrocos, França, Grécia, Israel e Egito.

Um dos fatores que contribuem para a riqueza de sabores e aromas é o clima das nações próximas ao mar Mediterrâneo. A umidade proporcionada pelo oceano, alinhada às temperaturas amenas, faz com que as terras produzam uma incrível variedade de alimentos.

Além disso, do mar vem os peixes, mariscos, moluscos e crustáceos tão importantes para essa culinária que passeia pelos continentes da Europa, África e Ásia. Unindo características dessas três localidades, a cozinha mediterrânea não tem cerimônias.

A graça aqui é a qualidade dos alimentos, sempre frescos. Já a sofisticação fica em segundo plano. É claro que há ótimos restaurantes requintados, mas a simplicidade e sabor da comida sempre vêm em primeiro lugar.

Comer bem faz parte dessa cultura

Podemos dizer que o azeite, as frutas e os legumes são os três pilares da culinária mediterrânea. Isso, por si só, explica o fato de ela ser tão saudável.

Além disso, para os povos mediterrâneos, comer bem faz parte da sua cultura. Por isso, eles dispensam o uso exagerado de produtos industrializados, como a manteiga e o creme de leite. Lá, é tudo mais leve.

A proximidade com o mar também contribui para a manutenção de uma vida mais saudável. Os povos da região costumam comer peixe, pelo menos, duas vezes por semana, geralmente assado na grelha ou no forno, com especiarias e sal.

As frituras são quase inexistentes, já que as ervas e os legumes utilizados são frescos — é comum encontrarmos jardins cheios de sálvia, tomilho, alecrim, manjericão, orégano e salsinha nas casas.

Outro ponto interessante é que a população da região mediterrânea vê a alimentação como um momento de lazer a ser compartilhado com a família e os amigos. Come-se realmente desfrutando o que foi servido, sem pressa.

O azeite como elemento principal da cozinha mediterrânea

Assim como a pimenta é tão importante para os mexicanos, o azeite é o rei da cozinha mediterrânea. Presente em 80% dos pratos, ele aparece mesmo quando não faz parte da lista de ingredientes: sempre há aquele último toque em carnes ou vegetais.

Aliás, quando falamos em “toque”, queremos dizer grandes quantidades do produto. Tudo é regado com doses generosas do extravirgem, fazendo com que a comida local tenha um sabor marcante e característico.

Extraído das milhares de oliveiras que enfeitam os países costeiros, a azeitona é colhida de forma bem artesanal, sem qualquer tipo de pressão mecânica. O óleo é natural, por isso faz tão bem à saúde.

Aliás, se você ainda não sabe, o azeite traz diversos benefícios. Ele ajuda a manter a saúde do coração em dia, auxilia no aumento do colesterol bom (HDL) e na diminuição do ruim (LDH), reduz o risco de desenvolvimento da diabetes tipo II, entre outros.

Mas não é só de azeite que vive a população mediterrânea. A seguir veja os principais alimentos do cardápio.

Frutas, vegetais e pescados

Os ingredientes naturais como frutas, legumes e verduras, são itens que não podem faltar na cozinha mediterrânea. Além deles, os pescados aparecem constantemente nas preparações.

Verduras

Muitas verduras são utilizadas nessa culinária, mas podemos destacar o alho, a cebola, a batata, a cenoura, os pepinos, os pimentões, o tomate, a abobrinha e a berinjela.

Caso queira surpreender os seus amigos com um prato mediterrâneo, não se esqueça de apenas cozinhar esses itens. A fritura, por exemplo, é totalmente dispensável, já que estamos lidando com produtos frescos, e o tempero pode ficar por conta do azeite, limão, sal e de algumas ervas.

Frutas

As frutas secas, os melões, os pêssegos, os damascos e os figos são exemplos de frutas muito consumidas na região. Lá, elas geralmente são colhidas no momento do consumo e, por isso, são extremamente frescas. Elas podem aparecer tanto na sobremesa quanto no prato principal.

Pescados

A região mediterrânea é propícia para a criação de peixes, mariscos, moluscos e crustáceos. Sempre fresquinhos, os pescados estão presente em todos os restaurantes mediterrâneos.

Ricos em ômega 3 e com propriedades anti-inflamatórias e antioxidantes, os chamados “pescados azuis”, como o atum e as sardinhas, são os mais comuns na região.

Carnes

O consumo de carne vermelha é baixíssimo, mas podemos destacar o cordeiro e o porco, quase sempre grelhados ou em forma de espeto. Os chefs locais costumam deixar a proteína marinando durante várias horas para adquirir o sabor dos temperos.

Flores

Nem as flores ficam de fora da cozinha mediterrânea! Espécies como a alcachofra, a alcaparra, a lavanda e os botões de margarida também são utilizadas na preparação dos pratos.

Outros alimentos

Além desses ingredientes citados, os grãos, o trigo e os cereais são bastante utilizados. Também é importante destacar o vinho, que está presente como acompanhamento em quase todas as refeições.

A cozinha mediterrânea é patrimônio da Unesco

Com o objetivo de preservar a tradição de consumir alimentos saudáveis, desde 2013, a cozinha mediterrânea é classificada como Patrimônio Mundial e Imaterial da Humanidade pela Unesco.

Além de natural e equilibrada, a comida da região é extremamente saborosa. Por isso, que tal começar uma vida mais saudável e investir nessa gastronomia agora mesmo?

Créditos: Meubistrô.com


Até mais!

Equipe Tête-à-Tête