Você tem o hábito de conversar? Construir histórias, ouvir com atenção e estabelecer um diálogo entre pais e filhos é algo muito importante para a formação social e emocional.

O problema é que, com a falta de tempo ou o excesso de consumo tecnológico, muitos pais deixaram de lado este hábito fundamental. Ou, por vezes, a conversa passa a se tornar um monólogo, devido à falta de interesse do ouvinte.

Para estabelecer um diálogo entre pais e filhos, o primeiro passo é diferenciar a ação de ouvir e escutar. Ao apenas ouvir, você capta e processa sons, sem imprimir empatia. Por outro lado, escutar é ser solidário, se colocar na posição do outro e entender seu ponto de vista – não somente para responder de forma ágil ou criticar.

A crítica, inclusive, é outro ponto que deve ser analisado com cuidado, uma vez que pode desempenhar um efeito destrutivo se mau colocada. Isso causa o distanciamento, pois cria um campo desconhecido sobre a vontade e os pensamentos dos seus filhos.

A importância do diálogo entre pais e filhos

Por que diálogo entre pais e filhos é fundamental?     

Ouvir a criança com atenção e demonstrar interesse pelo que ela está dizendo, mantendo uma conversa que respeita a opinião do outro, ajuda o seu filho a sentir-se mais confiante. Os pequenos que ouvem muitas palavras de reprovação e têm pouca atenção de seus pais tendem a manifestar dificuldades no relacionamento com outras pessoas.  

Desde bebê, o diálogo entre pais e filhos precisa ser introduzido. No início, os menores podem não entender claramente o significado das palavras, mas se comunicam com gestos e percebem tons de voz. Leia para o seu filho ainda novinho, pois isso ajuda a desenvolver uma capacidade de atenção e ensina a pronúncia das palavras.

É no ambiente familiar que a criança aprende, com interatividade e exemplos. Sendo assim, torna-se fundamental que pais e filhos mantenham uma relação saudável e coerente.

O ditado “faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço” é totalmente errôneo quando se trata da educação. Junto à convivência, o seu filho pode desenvolver-se mais tolerante, com facilidade para dialogar e defender sua visão de mundo. Além disso, sendo capaz de admitir erros e tolerar frustrações. Educar não é fácil, mas é recompensador!

Dicas simples para ter um diálogo construtivo com seu filho

A sementinha do diálogo entre pais e filhos precisa ser plantada desde o nascimento do bebê. Ao longo da vida, a comunicação continua fazendo parte da rotina familiar. Por isso, confira algumas dicas para expandir os assuntos entre vocês.

1) Conte suas experiências

Falar sobre suas experiências é uma maneira de aproximar-se da realidade do seu filho e tornar-se mais “humano”, fora da posição imbatível. Lembre-se que o diálogo entre pais e filhos deve ser claro, levando em conta a idade das crianças.

2) Não julgue

diálogo entre pais e filhos pode terminar em briga por falta de empatia ou respeito à opinião do próximo. Escutar atentamente é o primeiro passo para que haja uma conversa, como já dissemos no início deste texto.

Ao fazer isso, seu filho entende que você está em busca de ajudá-lo – não apenas acusá-lo. Ajude-o a identificar e trabalhar as emoções no desenvolvimento de inteligência emocional.

3) Limites são importantes

Toda criança necessita de pais que orientem e coloquem limites. Por isso, lembre-se que essa relação deve ser a principal. Na fase da adolescência, por exemplo, pode existir alguns assuntos que ela não queira compartilhar – e isso deve ser respeitado!


Até mais!

Equipe Tête-à-Tête