Rococó é um estilo artístico que se desenvolveu na Europa no século XVIII. Surgiu em 1700, na cidade de Paris, buscando a sutileza em contraposição aos excessos e suntuosidades do Barroco. Espalhou-se pela Europa no século XVIII e chegou à América em meados deste século. Esteve presente na pintura, arquitetura, música e escultura.

A palavra rococó tem origem no termo francês “rocaille” que é um tipo de decoração de jardim em formato de conchas.

Principais características:

– Uso de cores luminosas e suaves, em contraposição às cores fortes do Barroco;

– Estilo artístico marcado pelo uso de linhas leves, sutis e delicadas;

– Utilização de linhas curvas;

– Uso de temas da natureza: pássaros, flores delicadas, plantas, rochas, cascatas de águas;

– Uso de temas relacionados a vida cotidiana e relações humanas;

– Representação da vida profana da aristocracia;

– Arte sem influência de temas religiosos (exceção do Brasil);

– Busca refletir o que é refinado, agradável, sensual e exótico.


Exemplos de artistas do Rococó:

– Pierre Lepautre – decorador francês.

– Jean Bérain – gravurista francês.

– Jean-Antoine Watteau – pintor francês.

A comédia Italiana, de Jean-Antoine Watteau

– Juste-Aurèle Meissonier – pintor, escultor, desenhista de móveis e arquiteto francês.

– Nicolas Pineau – entalhador e designer de interiores francês.

– Jean Honoré Fragonard – desenhista e pintor francês.

O balanço, de Fragonard

Exemplos de obras de arte (pinturas) do Rococó:

Dando graças (1744)

Autor: Jean-Baptiste Chardin (pintor francês)

A leitora (1770)

Autor: Jean-Honoré Fragonard

O paladar (1715-34)

Autor: Jean Raoux (pintor francês)

Alegoria da Toscana (1706)

Autor: Sebastiano Ricci (pintor italiano)

Proposta embaraçosa (1716)

Autor: Antoine Watteau (pintor francês)

Retrato de uma dama (1710)

Autor: Nicolas de largillière (pintor francês)

Festival do amor (1717)

Autor: Antoine Watteau (pintor francês)

A batalha de Lesnaya (1717)

Autor: Jean-Marc Nattier (pintor francês)

Luís XIV (1701)

Autor: Hyacinthe Rigaud (pintor francês)

Gilles (1717-19)

Autor: Antoine Watteau (pintor francês)

Garoto jogando pião (1738)

Autor: Jean-Baptiste Chardin (pintor francês)

Aparição do anjo a Sara (1726-28)

Autor: Giovanni-Battista Tiepollo (pintor italiano)

O salvamento de Moisés (1730)

Autor: Giovanni-Battista Tiepollo (pintor italiano)

O rio Arno com a ponte Santa Trinità (1742)

Autor: Giovanni Paolo Paninni (pintor italiano)

Suzana e os anciãos (1740)

Autor: Giovanni Battista Piazzetta (pintor italiano)

O Bucentauro no cais no dia da Ascenção (1732)

Autor: Canaletto (pintor Italiano)

O almoço (1739)

Autor: François Boucher (pintor francês)

A carreira de um libertino, cena da taverna (1735)

Autor: William Hogarth (pintor inglês)

A apresentação (1740)

Autor: Pietro Longhi (pintor italiano)

A duquesa de Orleans como Hebe (1744)

Autor: Jean-Marc Nattier (pintor francês)


O Rococó no Brasil

Ao contrário do que aconteceu em grande parte dos países europeus, o Rococó ao chegar ao Brasil em meados do século XVIII teve influência de temas religiosos, manifestando-se, principalmente, no campo da arquitetura. A arquitetura religiosa do Rococó brasileiro pode ser vista nas cidades históricas de Minas Gerais, em Belém e Pernambuco.

Além de ser um artista do Barroco, Aleijadinho foi também um dos principais representantes do Rococó no Brasil.

Interior da Igreja de Nossa Senhora da Conceição dos Militares em Recife
Exemplo de estilo rococó na parte interna da Igreja de Nossa Senhora da Conceição dos Militares (Recife).

Créditos: Jefferson Evandro Machado Ramos
Graduado em História pela Universidade de São Paulo – USP (1994).


Até mais!

Equipe Tête-à-Tête