Os Estados Nacionais Modernos nasceram no século XV e registraram um novo período comercial na Europa, além de centralizar o poder no rei. 

Estados Nacionais Modernos – Formação, características e modelos
Urbanismo

Primeiramente, os Estados Nacionais Modernos nasceram no século XV, com o advento do Mercantilismo, registrado em nações da Europa como Portugal, França, Inglaterra e Espanha. As Monarquias Nacionais contribuíram para o fortalecimento do poder do rei e causaram o declínio do  feudalismo.

Nesse sentido, a crise no sistema feudal foi primordial para a formação dos Estados Nacionais. Neste modelo, não existiam estados centralizados e o senhor feudal exercia os poderes políticos em seus domínios. Não havia, entretanto, uma figura central do poder.

Alguns aspectos caracterizam os Estados Nacionais Modernos, como a burocracia, o militarismo, as leis e o sistema judiciário unificados e um sistema burocrático, que originou tarifas e tributos cobrados.

Formação dos Estados Nacionais Modernos

Por volta do século XV, a Europa experimentava o Mercantilismo, que trouxe o desenvolvimento de navegações e a expansão territorial dos Estados Nacionais Modernos. As monarquias queriam expandir suas riquezas, com comércio e conquista de novos mercados

Estados Nacionais Modernos – Formação, características e modelos

Assim, estados europeus empreenderam a busca por metais preciosos e a catequização de povos com o cristianismo. Com novos territórios descobertos, Portugal e Espanha expandiram seus territórios.

Nesse sentido, o desenvolvimento mercantil europeu pode ser registrado em nações como Portugal, Espanha, Inglaterra e França. Os Estados Nacionais Modernos se apresentaram a partir da segunda metade do século XV, e também foram observados posteriormente na Itália.

A formação destes estados foi um processo que começou com o poder centralizado na figura do rei, responsável pelo exército e pelo poder judiciário, a garantia da máquina pública sólida (burocracia) e a cobrança de impostos.

Características dos Estados Nacionais Modernos

Os Estados Nacionais Modernos surgiram com características determinantes. A burocracia administrativa proporcionou um ganho no corpo de funcionários significativo. Eles desempenharam algumas demandas referentes à administração pública.

Os reis também seriam responsáveis pela criação de um exército nacional que ficaria responsável por proteger as fronteiras e impedir invasões, além de manter a ordem pública. Por outro lado, o sistema judiciário trazia leis e protegia os direitos e deveres de todos.

Para finalizar as características, estes estados ficaram marcados pela presença de um sistema burocrático na máquina pública. Nesse sentido, esse sistema era responsável pela arrecadação, através de tarifas e tributos cobrados pela coroa.

Estados Nacionais Modernos na Europa

Em síntese, dentre os Estados Nacionais Modernos que se instauraram no passado podemos citar, Portugal, Espanha, França e Inglaterra, cada qual com suas características, como:

Portugal

Primeiramente, ficou conhecido por ser o primeiro reino a desenvolver esta forma de estado, ou seja, os Estados Nacionais Modernos. A centralização da monarquia real aconteceu após um confronto com muçulmanos e se consolidou em 1385, após a Revolução de Avis. Na ocasião, D. João fora coroado rei de Portugal.

Espanha, França e Inglaterra

Na Espanha, o Estado Nacional Moderno se consolidou em 1492, quando os Mouros foram expulsos do Reino de Granada. Contudo, na França, a vitória sobre os ingleses na Guerra dos Cem Anos impulsionou a constituição do estado.

Todavia, na Inglaterra o poder soberano da monarquia foi conquistado após a Guerra das Duas Rosas.

Luís XIV, rei absolutista francês.

Até mais!

Equipe Tête-à-Tête