noção subjetiva do tempo é explorada por Dalí neste quadro. A própria figura do pintor aparece dormindo em baixo de um relógio derretido. O lugar do sonho, da vigília, é também um lugar onde a temporalidade assume outras realidades.

Dali

O tempo do quadro A Persistência da Memória não é o tempo real, e sim o tempo do inconsciente. Sabe-se que Dalí foi influenciado por algumas das teorias da psicanálise de Freud, segundo o qual “o sonho é a estrada real que conduz ao inconsciente”.

A busca de Dalí pelo inconsciente está refletida no quadro pela sua caricatura que dorme. A temporalidade está em outro plano.

Nessa figura podemos ver também que o artista é retratado de maneira disforme, como um corpo amorfo com grandes cílios.

Nota-se ainda um elemento orgânico próximo ao nariz, o que pode ser interpretado como uma língua, trazendo a sensação de que o próprio corpo está reconfigurado, como é próprio do universo dos sonhos.


Até mais!

Equipe Tête-á-Tête