Considerado uma das obras-primas do pintor holandês, a tela que tem como protagonista um vaso de girassóis teve dez versões.

Na imagem vemos a preponderância da cor amarela e uma organização do buquê floral nada convencional. Na pintura do holandês lemos confusão, caos, uma beleza perturbadora obtida com os girassóis retorcidos.

A tela foi uma saudação feita ao amigo Paul Gauguin (1848-1903), que iria o visitar em Arles, onde Vincent estava vivendo. Depois de ver as imagens, o pintor francês acabou por elogiar o colega holandês ao afirmar que os seus girassóis eram mais bonitos do que as vitórias-régias de Monet.

No quadro a assinatura não está como habitualmente costumamos a encontrar, posicionada no canto da tela. Em Os girassóis o primeiro nome do pintor está inserido dentro do vaso, a meio do quadro (na parte inferior). Em carta para o irmão Theo ficamos sabendo que ele optou por assinar Vincent porque as pessoas não eram capazes de pronunciar Van Gogh.


Até mais!

Equipe Tête-à-Tête