Não são leves os laços
do absurdo exercício:
o homem lado a lado
com seu laçado ritmo.

muito menos cumprido
do que dependurado,
plataforma do umbigo
ao pescoço do hábito.

Mas ao engravatado
qual o conforto vindo
provar que o inimigo
não inventou o laço?

Por outro lado, fausto
do que secreto visgo
se o absurdo do ato
costuma ser tranquilo?

Discreto e convencido,
como não dar o laço,
rebento do risível
com o bem comportado?

Conhecer o ridículo
quando se chama exato,
isento de impossível
e impossibilitado?

Demasiado antigo,
já não é bem um trato:
vertical compromisso,
enforca-se o enforcado.


Até mais!

Equipe Tête-à-Tête