Gamboa é o nome de um bairro boêmio do Rio de Janeiro, mas também é o nome que Beatriz Milhazes escolheu para batizar uma de suas peças, um imenso móbile colorido.

Gamboa
Gamboa.

As criações em 3D são uma novidade na produção da artista que afirma:

É um novo começo na minha carreira, ainda não consigo raciocinar o 3D pelo 3D. Mas já visualizo os círculos que pintava nos quadros como esferas, ganhando esta fisicalidade no mundo real. Mesmo não tendo volume, minhas telas já traziam uma sobreposição de imagens que indicava uma profundidade possível no espaço plano. Ver as imagens ganhando corpo ajuda a pensar a disposição dos elementos na pintura — comenta a pintora, que pensa em dar sequência às obras escultóricas. — Pode ser um caminho futuro. Gosto muito da possibilidade de penetrar nas obras, apesar de estas esculturas não serem interativas. A sonoridade dos materiais também me anima muito.

Fonte:culturagenial


Até mais!

Equipe Tête-à-Tête