Não é em mim o menor horror
A consciência da minha inconsciência
Do automatismo sobrenatural
Que eu sou, círculo, de (…) sensações
Rodando sempre, sempre equidistante
Do centro inatingível do meu ser.

Fernando Pessoa (1888-1935)


Até mais!

Equipe Tête-à-Tête