Tomara
Que você volte depressa
Que você não se despeça
Nunca mais do meu carinho
E chore, se arrependa
E pense muito
Que é melhor se sofrer junto
Que viver feliz sozinho

Tomara
Que a tristeza te convença
Que a saudade não compensa
E que a ausência não dá paz

E o verdadeiro amor de quem se ama
Tece a mesma antiga trama
Que não se desfaz
E a coisa mais divina
Que há no mundo
É viver cada segundo
Como nunca mais


Tomara foi musicada e virou das músicas mais consagradas da MPB (música popular brasileira). Aqui o eu-lírico é abandonado pela amada, que parte e deixa um rastro de saudade.

Ao invés de adotar uma postura vingativa e raivosa, o sujeito deseja que ela volte logo e que nunca mais repita a decisão de partir. A conclusão que aspira que a amada chegue é que é melhor estar a dois – ainda que com algum sofrimento – do que seguir em frente sozinho.

Os votos do apaixonado são que a saudade aperte forte e que a tristeza faça com que ela se arrependa da decisão tomada.

Vinícius de Moraes (1913-1980)


Até mais!

Equipe Tête-à-Tête