De longe te hei-de amar
– da tranquila distância
em que o amor é saudade
e o desejo, constância.

Do divino lugar
onde o bem da existência
é ser eternidade
e parecer ausência.

Quem precisa explicar
o momento e a fragrância
da Rosa, que persuade
sem nenhuma arrogância?

E, no fundo do mar,
a Estrela, sem violência,
cumpre a sua verdade,
alheia à transparência.

Cecília Meireles (1901 – 1964), escritora, artista e educadora brasileira, se destacou principalmente no campo da poesia. Na composição publicada em Canções (1956), o amor surge como algo singelo e, simultaneamente, maior que o tempo e a distância.

Nos versos, o sentimento é descrito como algo tão natural e puro quanto uma rosa que apenas existe e encanta como seu perfume, sem precisar ser arrogante. Da mesma forma, este eu-lírico ama descomplicadamente, como uma estrela-do-mar vive entre as ondas, porque esse é o seu lugar.


Até mais!

Equipe Tête-à-Tête