Aleardo Aleardi (Verona, 14 de novembro de 1812 – Verona, 17 de julho de 1878), nascido Gaetano Maria Aleardi, foi um poeta italiano que pertenceu ao então chamado Neorromantismo.

 Romanticism – 177,8 x 132,8 cm – coleção particular

Aleardo nasceu em Verona em 1812, filho de Maria Canali e do conde Giorgio Aleardi. Depois de estudar Direito na Universidade de Pádua, juntamente com seus amigos Giovanni Prati e Arnaldo Fusinato, voltou a Verona, e interessou-se por poesia e crítica de arte.

Suas primeiras composições incluem Il matrimonio (1842), uma exaltação do casamento como uma expressão da civilização, e Arnalda di Roca, 1844, poema histórico que tem como protagonista uma jovem que morre defendendo sua honra: já há uma busca por efeitos cênicos e tom dramático que são típicos de toda a sua produção posterior. O primeiro sucesso foi alcançado em 1846 com as duas Lettere a Maria, em versos soltos, em que o poeta se declara a uma amiga sugerindo um amor platônico.

Visitante assíduo do salão da condessa Anna Serego Gozzadini Alighieri, cortejou sua filha Nina, dedicando-lhe numerosos poemas. Participou ativamente do movimento do Risorgimento. Em 1848 foi para Paris, a convite de Daniele Manin, para angariar apoio para a República de Veneza. Foi preso duas vezes: em Mântua em 1852 e em Josefstadt, na Boêmia em 1859. Atuou depois como deputado, senador e, finalmente, como professor de estética em Florença. Morreu subitamente em Verona em 1878.

Sua obra poética não é extensa e, principalmente, gira em torno de temas da história e da pátria. Era de fato chamado de “o poeta da história” por causa de sua tendência para a investigação e reviver o passado, também o passado distante da Pré-história e da infância mítica da terra (Il monte Circello, 1856 e Le prime storie, 1857). Contudo, frequentemente considera-se que esta nostalgia do passado é, muitas vezes, um pretexto para mostrar a sua eloquência.

Fonte:wikipedia


Até mais!

Equipe Tête-à-Tête