Era uma vez duas crianças, João e Maria, que viviam com seu pai e a madrasta em uma casa perto da floresta. A família era bastante humilde e as coisas estavam cada vez mais difíceis para eles, que estavam sem recursos e entrando na miséria.

Certo dia, a madrasta, que era má, tem a ideia de abandonar as crianças no meio da floresta, pois assim seriam duas bocas a menos para alimentar. A mulher consegue convencer seu marido e, na manhã seguinte, todos partem para cortar lenha.

Assim, o pai da crianças acende uma fogueira na mata e os deixa lá, dizendo que voltaria logo, o que não acontece.

João, que tinha escutado o plano perverso, havia se preparado e levado consigo pedrinhas brilhantes que tinha encontrado na casa.

Durante o caminho, o menino foi deixando pelo chão as pedrinhas, dessa forma, ele e a irmã poderiam retornar à casa seguindo essas pedras.

João e Maria conseguiram dessa maneira voltar para casa, o que deixou o pai muito feliz. Entretanto, a madrasta ficou possessa e convenceu novamente o marido a abandonar seus filhos em um lugar ainda mais longe.

Dessa vez, a mulher trancou a porta do quarto das crianças, não permitindo que João pegasse as pedrinhas brilhantes.

Novamente, na manhã seguinte, eles vão em direção à floresta. João e Maria tinham recebido um pedaço de pão cada um e tiveram a ideia de deixar migalhas para marcar o caminho ao invés das pedras.

Assim fizeram, entretanto, as migalhas foram devoradas pelos pássaros e, quando os dois precisaram, elas já não estavam mais lá.

Tristes, cansados e com fome, os dois saem a vagar pela mata. Até que se deparam com uma casa fantástica feita de doces e bolo. Claro que os irmãos não resistem e se aproximam para comer todas aquelas guloseimas.

João e Maria conto infantil

Depois de saciados, João e Maria descansavam por ali, quando uma velha senhora sai de dentro da casa. Ela os convida para entrar e diz que estava esperando por eles.

A velha, que na verdade era uma bruxa, oferece muita comida para eles, que ficam em sua casa por vários dias. Então, a bruxa resolve prender João em uma gaiola e alimentá-lo até ele ficar bem gordo para ser assado no forno.

João conseguiu enganar a bruxa, que achava que ele não estava gordo o suficiente, mas mesmo assim, um dia ela resolve assá-lo de qualquer forma.

A bruxa então manda Maria acender o forno e quando a velha má chega perto do forno, Maria a empurra para dentro e fecha rapidamente a tampa.

A menina consegue libertar o irmão, e os dois saem de lá correndo, não sem antes pegar riquezas que estavam na casa da velha.

Então as crianças perambulam pela floresta mais alguns dias e conseguem voltar pra casa. Dessa vez, o pai as recebe e não deixa mais a madrasta fazer maldades.


A história em questão foi escrita pelos irmãos Grimm, escritores alemães que viveram em meados do século XIX. Eles se inspiraram na tradição oral, que passava através da fala diversas histórias de geração para geração.

Em João e Maria, temos uma narrativa que nos fala sobre a consciência de que nem todos os momentos da vida são de felicidade e sobre a busca pela independência dos pais.

As crianças representam o lado masculino e feminino em cada um de nós, que, diante do desamparo, adentra o desconhecido (a floresta, no caso) e se perde, sem saber como voltar para casa, mesmo deixando “pistas” no meio do caminho.

Assim, nessa procura, eles encontram algo maravilhoso, a satisfação total, uma casa feita de guloseimas! Eles então, a princípio, se iludem pensando que estariam em um ambiente incrível e que a vida seria uma grande festa.

Mas a lição é que tudo tem seu preço, e por conta de seus excessos, se deparam logo com uma bruxa má, que pode ser o símbolo das frustrações e mesmo das consequências causadas pela impulsividade.

A bruxa os faz prisioneiros e as crianças precisam dessa forma acessar suas forças internas, criatividade e coragem para se livrarem do apuro.

João e Maria conseguem sair vitoriosos, e ainda carregar as riquezas da bruxa má, que podem sinalizar que eles levam consigo os ricos aprendizados de tal situação.

Fonte:culturagenial


Até mais!

Equipe Tête-à-Tête