O Corvo  (The Raven)

And the raven, never flitting, still is sitting, still is sitting
On the pallid bust of Pallas just above my chamber door;
And his eyes have all the seeming of a demon’s that is dreaming,
And the lamp-light o’er him streaming throws his shadow on the floor;
And my soul from out that shadow that lies floating on the floor
Shall be lifted – nevermore!


E o corvo, na noite infinda, está ainda, está ainda
No alvo busto de Atena que há por sobre os meus umbrais.
Seu olhar tem a medonha cor de um demônio que sonha,
E a luz lança-lhe a tristonha sombra no chão há mais e mais,

Libertar-se-á… nunca mais!


– Tradução de Fernando Pessoa 


O Corvo, sim! Começamos a lista pelo mais clássico poema de Poe. Difícil tarefa é escolher uma só citação de um poema tão perfeito em estrutura e conteúdo em cada linha. Porém, a estrofe final contém toda melancolia do poema concentrada em cinco linhas, e o famoso refrão Nunca mais (Nevermore), é a forma como o narrador rende-se à sombra do corvo, a ave ou demônio que atormenta sua alma com lembranças de sua amada Lenore.

Fonte:notaterapia


Até mais!

Equipe Tête-à-Tête