Inúmeras são as listas de quantos livros ler por ano. Algumas justificam sua indicação através de contas matemáticas, outras pela neurociência e outras para ajudar aqueles que buscam se tornar milionários. Seja qual for o motivo, existe uma resposta essencial para a pergunta, que passa por alguns pontos importantes da vida pessoal. 

O que você vai encontrar neste artigo?

  1. Qual é a importância de ler?
  2. Quantos livros é possível ler em um ano?
  3. Quantos livros são recomendados a ler por ano?

Qual é a importância de ler?

Em um mundo cheio de opções de aprendizado, seja por posts de redes sociais, lives, ou cursos on-line, é preciso antes perguntar se os livros ainda têm alguma relevância.

Se é possível adquirir conhecimento de modo mais fácil e rápido, por que ler?

Uma das respostas é dada pela neurociência. 

De acordo com pesquisadores do Inscer (Instituto do Cérebro), muitos estudos demonstram que a leitura gera efeitos únicos no ser humano. Um dos efeitos é o aprimoramento integral da saúde mental.

A leitura estimula o desenvolvimento do cérebro, novas conexões neurais se fazem. Durante esse processo, ocorre redução do estresse, alívio dos músculos e diminuição da frequência cardíaca. 

As doenças neurodegenerativas, como o Alzheimer, são prevenidas.

Dentre as demonstrações dos estudos neurológicos sobre a leitura, uma converge com um dos pontos mais importantes da filosofia: a formação do imaginário.

Pesquisadores da Universidade Emory descobriram que ler afeta o cérebro da mesma forma como se a pessoa realmente vivenciasse os eventos sobre os quais lê.

O professor Olavo de Carvalho ressalta que este é um dos fatores mais importantes para aqueles que desejam tornar-se sábios.

A imaginação é a potência da alma que produz a união de conhecimentos universais com casos concretos. Essa função é essencial, tanto para os estudos, como para a ação na vida pessoal. 

Ter experiência de vidas diferentes através da leitura é essencial. As situações descritas na literatura, divergentes da vida pessoal do leitor, podem trazer lições importantes que ela não conseguiria se não fosse a leitura de literatura.

Diferentemente de cursos ou filmes, ler permite que a pessoa tenha um processo mais ativo e imaginativo.

A leitura também expande o vocabulário. Conhecer novas palavras significa conhecer novas realidades, uma vez que cada palavra tem um conceito, designa algo específico. 

Também significa poder articular melhor as próprias ideias e pensamentos.

Apenas a leitura pode fornecer esse aprendizado de maneira expressiva e quase que imediata. 

Então, se ler é tão importante, quantos livros ler por ano?


Quantos livros é possível ler em um ano?

Para começar essa exploração, um cálculo básico precisa ser feito para saber quantos livros é possível ler em um ano.

Um ano possui 365 dias. Em horas: 8760. 

Estima-se que um leitor médio consegue ler 300/400 palavras por minuto. Uma página de um livro tem aproximadamente 207 palavras. 

Se considerar que o livro possui 250 páginas, é possível ler aproximadamente 1 livro em 3 dias, se o leitor dedicar 1 hora e meia por dia à leitura. 

Dessa forma, em 1 ano é possível ler aproximadamente 121 livros. 


Quantos livros são recomendados a ler por ano?

Muitos, então, pensarão que o ideal é ler 121 livros por ano, um pouco mais ou um pouco menos.

Contudo, não é bem assim que funciona…

O ser humano não é um robô. A leitura pela leitura não é nada. Uma leitura sem reflexão e não bem escolhida não tem valor para o aprendizado.

O professor Olavo de Carvalho conta uma de suas histórias que ilustra bem esse caso.

Um colega de quarto de sua juventude lia o dia inteiro. Sempre tinha à mão grandes obras, grandes clássicos da humanidade que formaram grandes personalidades e até mesmo nações.

Certo dia, estando ambos na casa, ele se virou para o professor Olavo e disse:

“Olavo, você entende o que lê?”

O professor disse que sim; ele, porém, disse que não.

Isso mostra que a leitura não possui valor se não for consciente.

Não adianta ler 121 livros em 1 ano e não adquirir aprendizado que faça sentido na vida pessoal. 

O Padre Sertillanges, na sua obra-prima, A Vida Intelectual, afirma que os livros são apenas placas indicadoras, como as das estradas, apenas setas.

Eles indicam algo, um caminho a ser seguido. As leituras precisam provocar uma mudança na visão de mundo do leitor, precisam moldar-lhe a personalidade.

No entanto, um livro ruim também pode moldar a personalidade.

Nesse caso, o que fazer?

Uma dica seria fazer uma lista da ignorância. 

É necessário que aquele que deseja se aprofundar na vida de estudos saiba o que não sabe. Do contrário, haverá presunção e muitos assuntos importantes para os estudos podem ser deixados de lado. 

A lista permite, também, que o leitor selecione o que faz sentido para si.

Será possível analisar o que realmente é necessário saber, o que falta saber.

Na pesquisa, o leitor pode descobrir quais livros são bons, quais são ruins.

Obrigar-se a ler uma determinada quantidade de livros por ano irá fazer com que o leitor se desespere para ler o que estiver na frente e leia muitas coisas ruins. Vender muito não significa que é bom.  

Neste processo, é muito provável que muitos conhecimentos quase perdidos na memória sejam reanimados.

A pessoa irá lembrar o que é importante para si, e pode até mesmo achar o seu caminho na vida ou lançar as bases para encontrá-lo.  

No processo de conscientização dessas informações ocorre o conhecimento verdadeiro. 

O conhecimento não é o que se leu, mas o que se sabe. Muitos leem e não conseguem explicar o assunto da leitura, demonstrando que não o conhecem de verdade.

número ideal de livros por ano
Livros e a mente humana.

O conhecimento é adquirido durante a reflexão após a leitura. Assim, pode ser que o leitor consciente demore não 3 dias, mas 1 mês para ler um livro. 

Outro ponto importante da lista é que ela ajuda a seguir o caminho da maneira certa, de degrau em degrau.

Muitos, desejosos de começar a estudar assuntos importantes, começam seus estudos através de qualquer livro do tema, ou por autores famosos. Entretanto, muitas vezes iniciam com um livro para além das próprias capacidades.

Isso é perigoso pois pode desanimar o leitor. 

Santo Tomás de Aquino, considerado por muitos intelectuais como um dos maiores intelectuais da história, aconselhou um discípulo seu a como começar nos estudos:

“Deves optar pelos riachos e não por entrar imediatamente no mar, pois o difícil deve ser atingido a partir do fácil”.

Comente e compartilhe. Quem você acha que vai gostar de ler sobre quantos livros ler por ano?

Fonte:brasilparalelo


Até mais!

Equipe Tête-à-Tête