Muitas almas que reputo como iluminadas, influenciaram minha vida, reforçando o interesse que sempre tive pelo conhecimento que me conduzisse para mais próximo da verdade das coisas. Assim, sempre me esforcei para encontrá-la nas mais diversas fontes além daquelas disponibilizadas pelas escolas regulares onde estudei, do primário à faculdade.

A consciência da minha ignorância, e a constante insatisfação gerada por esta situação revelou, à medida em que me afastava dela, novas e inesperadas janelas por onde a luz chegava, impelindo-me a abri-las para perseguir aqueles novos fachos. Foi assim que li os mais diversos autores, independente das suas tendências ideológicas, políticas, ou visões filosóficas, que pudessem acrescentar algo de valor à minha miserável vida, tal como o amadurecimento intelectual que contribuísse para minha integridade como pessoa humana.

Seguindo um conselho que recebi para a melhor compreensão das ideias que acessava, bebi daquelas fontes sem fazer, durante o exercício de leitura, crítica alguma, pois somente algum tempo depois seria possível que a “digestão” de tudo aquilo que consumi se iniciasse, possibilitando a assimilação natural do que era bom e o necessário descarte do resto. Hoje posso afirmar que qualquer crítica prematura que fizesse teria realmente impedido o acesso ao conhecimento mais profundo que tanto buscava. Assim ainda procedo.

O resultado deste “processo seletivo”, somado aos inúmeros fatos verificados bem diante e debaixo do meu nariz, que não foram colhidos das manchetes diárias e nem sempre confiáveis veiculadas pelas mídias, mas do testemunho consciente da parte da história que tenho presenciado, revelou definitivamente para mim, apontando como se fosse uma bússola, onde estão aqueles que buscam a luz e, no lado oposto, aqueles que caminham em contínuos movimentos helicoidais, sempre para baixo, como quem busca alcançar na escuridão o último círculo do inferno de Dante, o lago Cócite, destino dos traidores de toda a sorte, entre elas, o da pátria brasileira.

Para meu espanto, este interesse por ver as coisas como realmente se apresentam, que pensava compartilhar com a maioria das pessoas, não é visto com muitos bons olhos por uma grande parcela delas, notadamente vítimas que caíram na armadilha dos rebuscados e contraditórios discursos ideológicos e pensamentos radicais que, como cardápios meticulosamente coloridos de acordo com a psicologia das cores, despertam nos leitores hipnotizados, uma vontade incontida de consumir em abundância os produtos indigestos por eles anunciados, e cujos ingredientes sempre ficam ocultos em letras minúsculas de rodapé. 

Não é de admirar, portanto, que uma inevitável intoxicação ocasionada pela ingestão apressada, descuidada e continuada de tais gororobas, causasse estragos nos glutões, pela assimilação do que deveria ser descartado de pronto, restos que, permanecendo no organismo se refugia nos recônditos das dobras cerebrais causando profundos danos de cognição, às vezes irreversíveis.

Que muitos do povo permaneçam eternamente presos à ignorância política por motivos alheios a sua vontade, é até compreensível pelas diversas agruras sociais históricas que justificam tal alienação, tornando-os passíveis da piedade. Porém, que a parcela “iluminada” do povo, com acesso aos livros e dotados da capacidade de compreendê-los apoiem, incondicionalmente, como fossem torcedores de clubes de futebol, decisões arbitrárias e despóticas à esquerda ou à direita do espectro político, tomadas por aqueles que habitam provisoriamente os Poderes Nacionais, é inaceitável.

Nestes tempos conturbados, de paixões desenfreadas tanto nos altos escalões da República como nas bases da sociedade, o caminho da Prudência precisa ser retomado. É necessário mantermos vivas as lições deixadas pela história do século XX, e recordar que é nas radicalizações que a liberdade parece ser guiada por um minúsculo toco de vela cuja chama, trêmula, está sempre prestes a apagar para dar lugar à escuridão. Sejamos Prudentes!

…     

Benhur Teixeira/Administrador de Empresas


Até mais!

Equipe Tête-à-Tête