Alguns historiadores afirmam que a Revolução de 1930 foi um golpe militar, outros que foi de fato uma revolução, porque alterou as estruturas políticas e promoveu uma troca nos donos do poder. Este evento deu início ao governo de Vargas e mudou para sempre os rumos da política brasileira.

Seus impactos ainda influenciam a vida de todos os brasileiros. Entenda como foi a revolução, o que estava em jogo e suas consequências.

O que você vai encontrar neste artigo?

  1. Os principais motivos que levaram à Revolução de 1930
  2. O que foi a Aliança Liberal?
  3. O início do movimento revolucionário
  4. O assassinato de João Pessoa
  5. Quais estados aderiram à Revolução de 1930?
  6. Qual foi o desfecho do movimento de 1930?
  7. Quais foram as consequências da Revolução de 1930?

Os principais motivos que levaram à Revolução de 1930

O Brasil vivia a República Velha, também conhecida como República Oligárquica ou República do Café com Leite. O Partido Republicano Mineiro e o Partido Republicano Paulista revezavam na presidência. A cada ano era escolhido um presidente de cada estado, alternando um presidente mineiro e um paulista.

O poder era dominado pelas duas elites cafeeiras mais poderosas, e manteve a população neste sistema por 20 anos.

Tudo mudou quando o presidente da época, Washington Luís, que o foi de 1926 a 1930, indicou um paulista ao governo. Mas ele deveria ter indicado um mineiro. Assim, por não ter feito isso quebrou o acordo das oligarquias republicanas.

A sucessão presidencial a partir das eleições eram armadas. O candidato indicado pelo presidente quase sempre vencia. Essa garantia acontecia porque as eleições da época eram marcadas por fraudes.

Com a aproximação do processo eleitoral, a oligarquia mineira estava à espera de que o presidente escolhesse alguém de seu grupo.

Naquele período, o candidato mineiro que possuía maiores chances de ser nomeado era o presidente do estado de Minas Gerais, Antônio Carlos Ribeiro de Andrada.

Mas o presidente Washington Luís surpreendeu ao indicar outro paulista. O ato deu início a uma crise política. Em uma cerimônia organizada a 1928, o presidente informou que seu candidato seria Júlio Prestes, presidente do estado de São Paulo.

A partir desse momento, Antônio Carlos Ribeiro de Andrada passou a conspirar contra o governo de Washington Luís.

Representantes da oligarquia de Minas Gerais resolveram unir-se aos paraibanos e gaúchos para derrubar os paulistas nas eleições. Esta foi a Aliança Liberal.

Este novo grupo político lançou um candidato que entrou para a história, mudando o rumo das relações políticas no Brasil: Getúlio Vargas.


O que foi a Aliança Liberal?

A articulação política realizada por Antônio Carlos mobilizou as oligarquias do Rio Grande do Sul e da Paraíba contra Júlio Prestes. Os grupos dissidentes uniram-se e lançaram uma chapa eleitoral que ficou conhecida como Aliança Liberal.

Essa chapa lançou Getúlio Vargas como candidato a presidente e João Pessoa como candidato a vice-presidente.

A disputa eleitoral travada por Júlio Prestes e Getúlio Vargas foi bastante acirrada.

A Aliança Liberal, composta por três oligarquias poderosas no quadro político nacional, também contou com a adesão dos tenentistas e apresentou um novo projeto político, que prometia romper definitivamente com a lógica oligárquica.

Getúlio Vargas alegou fraude no processo eleitoral. Apoiado pela Aliança Liberal e pelo Movimento Tenentista, ele se recusou a aceitar o resultado das urnas, dando início ao que foi a Revolução de 1930.


O início do movimento revolucionário

Em reuniões secretas, militares e políticos planejavam a queda de Washington Luís e o impedimento da posse de Júlio Prestes.

Getúlio afirmou numa entrevista à Revista Globo, 20 anos após o Golpe de 1930:

“Em 1930, preparando a Revolução, fui obrigado a fazer um jogo duplo: de dia mantinha a ordem para o governo federal e à noite introduzia os conspiradores no Palácio”.

Dentre os jovens políticos que se uniram em torno do levante, destacavam-se:

  • Getúlio Vargas;
  • Oswaldo Aranha;
  • Flores da Cunha;
  • Lindolfo Collor;
  • João Batista Luzardo;
  • João Neves da Fontoura;
  • Virgílio de Melo Franco;
  • Maurício Cardoso;
  • Francisco Campos.

Dos tenentes que participaram da Revolução de 30, os nomes de maior destaque foram Juarez Távora, João Alberto e Miguel Costa. A meta desse grupo era a introdução de reformas sociais e a centralização do poder.

Havia ainda uma ala dissidente da velha oligarquia, que via no movimento revolucionário um meio de aumentar seu poder pessoal. Era o caso de Artur Bernardes, Venceslau Brás, Afrânio de Melo Franco, Antônio Carlos Ribeiro de Andrada e João Pessoa, entre outros.

O ex-líder da Coluna Prestes, Luís Carlos Prestes, optou por um caminho mais radical. Crítico da união dos jovens políticos com a dissidência oligárquica, Prestes decidiu assim não participar da revolução e lançou seu próprio Manifesto Revolucionário.

Declarou seu apoio ao socialismo e sustentou a tese de que a mera troca de homens no poder não atenderia às reais necessidades da população brasileira.

Antes da derrubada do presidente Washington Luís, o governo vigente tentou negociar com os revoltosos e retardar o levante. Mas, em 26 de julho, um evento inesperado mudou os rumos do país.


O assassinato de João Pessoa

morte-de-joão-pessoa
Manchete noticiando o assassinato de João Pessoa.

O inesperado assassinato de João Pessoa, presidente da Paraíba e candidato derrotado à vice-presidência na chapa da Aliança Liberal, estimulou as adesões e acelerou os preparativos para a deflagração da revolução.

João Pessoa era governador da Paraíba e candidato a vice na chapa de Getúlio, quando foi morto a tiros numa confeitaria em Recife.

Ainda hoje, se discute se o caso estava ligado a questões políticas nacionais ou se foi o resultado de uma desavença de João Pessoa com um adversário na política de seu estado, envolvendo até mesmo questões passionais.

Getúlio Vargas e a Aliança Liberal aproveitaram o incidente para justificar uma ação mais enérgica, apressando a mobilização armada de seus partidários.

A culpa da morte era sempre atribuída ao governo de Washington Luís, por meio de discursos inflamados e cheios de comoção.

Alçado à condição de mártir da revolução, João Pessoa foi enterrado no Rio de Janeiro e seu funeral provocou grande comoção popular, levando setores do Exército antes reticentes a apoiar a causa revolucionária.

Por fim, a 3 de outubro, sob a liderança civil do gaúcho Getúlio Vargas e sob a chefia militar do tenente-coronel Góes Monteiro, começaram as diversas ações militares.


Quais estados aderiram à Revolução de 1930?

  1. Minas Gerais;
  2. Rio Grande do Sul;
  3. Paraíba.

Qual foi o desfecho do movimento de 1930?

celebração-revolução-de-30
Foto de tenentes que atuaram nos combates da Revolução de 30.

Tudo começou em Porto Alegre com a tomada do quartel-general da Terceira Região Militar. No ataque, ocorreram as primeiras mortes da revolução, que logo se alastrou por todo o país.

Apesar de oferecer notável resistência, os governos estaduais foram depostos sem grandes dificuldades pelos militares revolucionários. Em meados de outubro, a revolução dominava metade dos estados brasileiros.

Tropas mineiras e gaúchas marchavam para o Rio de Janeiro, enquanto Vargas aguardava em Curitiba por notícias dos fronts de batalha.

Simultaneamente deu-se início à revolução no Rio Grande do Sul, à revolução em Minas Gerais e à revolução no Nordeste, os três pilares do movimento.

Porto Alegre, Belo Horizonte, e diversas cidades do nordeste foram ocupadas. Após tomar essas cidades, as tropas marcharam rumo a São Paulo.

O presidente Washington Luís recebe um ultimato de um grupo de oficiais exigindo sua renúncia. Augusto Tasso Fragoso comandou este pedido.

O grupo exigiu a renúncia do presidente. Como ele não cedeu, os militares determinaram sua prisão e o cerco do palácio Guanabara, no dia 24 de outubro.

A seguir, formou-se a Junta Provisória de governo, composta pelos generais Tasso Fragoso e João de Deus Mena Barreto e o almirante Isaías de Noronha. A Junta Provisória entregou o poder a Getúlio no início de novembro daquele ano.

Na tarde de 1 de novembro de 1930, no Palácio do Catete, Getúlio Vargas assumiu a presidência. Era o fim da República Velha e das oligarquias estaduais.

Ao mesmo tempo, soldados gaúchos cumpriam a promessa de amarrar seus cavalos no obelisco da Avenida Rio Branco, marcando simbolicamente o triunfo da revolução.


Quais foram as consequências do que foi a Revolução de 1930?

Com o fim da Revolução de 1930, deu-se início à Era Vargas. Período em que o Brasil foi comandado por Getúlio Vargas de 1930 a 1945. Vargas comandou um governo provisório, depois foi eleito em eleições indiretas e, por fim, comandou o Brasil como ditador.

Seu governo deu um fim definitivo à República Oligárquica e marcou uma forte centralização do poder e das instituições políticas.

A Era Vargas deixou marcas profundas na vida do povo brasileiro. Até hoje, as expectativas da população brasileira diante de seus políticos carregam marcas de como Vargas conduziu seu regime.

Comente e compartilhe. Quem você acha que vai gostar de ler sobre o que foi a Revolução de 1930?

Fonte:brasilparalelo


Até mais!

Equipe Tête-à-Tête