Era uma vez um rei e uma rainha que estavam ansiosos esperando um bebê. Quando a criança nasceu, uma menina, deram o nome de Aurora.

Para a festa de batizado, o casal convidou três fadas para abençoá-la, mas se esqueceram de convidar a quarta fada, chamada Malévola.

Durante o batizado, todos estavam contentes e duas fadas já haviam feito os votos, desejando felicidades e harmonia à pequena Aurora. Eis que surge a quarta fada. Ela estava furiosa porque não foi convidada e, como vingança, lança uma maldição:

— Quando completar 15 anos, Aurora encontrará uma roca de fiar e irá furar o dedo. Assim, ela morrerá.

Todos ficaram muito preocupados e a uma das fadas que ainda não tinha feito seus votos disse:

— Não posso desfazer esse feitiço, mas posso alterá-lo. Aurora irá furar o dedo, mas não morrerá, e sim cairá em sono profundo por cem anos, até que um príncipe a acorde com um beijo.

Os pais da criança, aflitos, mandaram destruir todas as rocas do reino e assim, os anos se passaram com tranquilidade.

Mas no dia de seu aniversário de 15 anos, Aurora, tomada por uma grande curiosidade, sai pela floresta e encontra uma casa abandonada. A menina adentra o local e encontra uma velha senhora fiando linho em uma roca.

Ela fica encantada com o objeto e pede para fiar também. Num descuido, Aurora pica o dedo e cai adormecida. A velha, que na verdade era Malévola, vai embora satisfeita.

Pouco tempo depois, uma das fadas boas encontra a jovem caída e a leva para o castelo. Aurora é colocada em sua cama e a fada faz com que todos os presentes no castelo adormeçam também.

Os anos se passam e a floresta ao redor cresce e encobre o castelo. Assim, a história da bela adormecida se transforma em uma lenda.

Muitos rapazes tentam chegar ao local, mas são engolidos pela densa mata. Entretanto, passados cem anos, um jovem e belo príncipe decide se aventurar na empreitada.

Ele consegue ultrapassar todos os desafios e chega ao castelo e aos aposentos da princesa, que dorme seu sono tranquilo.

Aurora continuava linda e o príncipe logo se apaixonou. Não resistindo, ele a beija e a desperta. Nesse momento, o castelo inteiro acorda e a vida volta ao normal.

O rei e a rainha ficam radiantes de felicidade. Aurora e o príncipe então se casam e são felizes para sempre.


Simbolicamente, podemos dizer que nos contos em que a personagem adormece, ela está se preparando para despertar para um novo mundo psicológico, mais integrado consigo mesma.

Assim, no conto A bela Adormecida, a princesa Aurora é desde o nascimento predestinada a adormecer. Isso ocorre quando ela tem 15 anos, idade significativa que marca o início da puberdade.

Mesmo com seus pais tomando os cuidados para “protegê-la” e mandando queimar todas as rocas do reino, Aurora encontra uma maneira de se desvencilhar deles e entrar em contato com uma nova realidade, em que percebe que está saindo da infância.

Ao adormecer, a menina está trabalhando conteúdos emocionais, e esse pode ser um processo longo como um século. Ao se sentir pronta, Aurora pode finalmente encontrar-se com seu príncipe, se curando psicologicamente e ter uma vida mais plena.

Assim, podemos dizer que o príncipe, nesse caso, é uma representação do lado masculino de Bela Adormecida e que, quando ela a beija, é como se ela finalmente conseguisse harmonizar lados opostos de sua alma.

Fonte:culturagenial


Até mais!

Equipe Tête-à-Tête