Portugal foi pioneiro nas grandes navegações e numa dessas aventuras a frota de Pedro Álvares Cabral promoveu o Descobrimento do Brasil. Isso aconteceu no início da Era Moderna, quando o ser humano se jogou em uma empreitada inédita: a expansão marítima.

O contato entre indígenas e portugueses iniciou o processo histórico que construiu a Nação Brasileira. Entenda como isso aconteceu.

Se você é uma pessoa que ama História do Brasil e quer conhecer mais sobre esse tema, assista à série Brasil: A Última Cruzada e veja o maior resgate já feito da nossa história.

O que você vai encontrar neste artigo?

  1. O que foi o Descobrimento do Brasil?
  2. Os portugueses tinham a intenção de chegar ao Brasil?
  3. Por que os portugueses se lançaram ao mar?
  4. Quem foi Pedro Álvares Cabral?
  5. Como foi a viagem de Cabral ao Brasil?
  6. Quando os portugueses chegaram ao Brasil?
  7. Descobrimento do Brasil? Invasão? Achamento?
  8. Como foi o primeiro contato entre portugueses e os índios?
  9. Quando os portugueses foram embora do Brasil?
  10. Qual a origem do nome “Brasil”?

O que foi o Descobrimento do Brasil?

No dia 22 de abril de 1500, uma frota de embarcações portuguesas chegou ao território que hoje chamamos de Brasil. Esses navios eram liderados por Pedro Álvares Cabral, acompanhado por mais de 1400 homens.

O objetivo oficial da campanha era o de chegar à Índia por uma rota marítima, já que o caminho comercial por terra era controlado por outros países.

A frota mobilizada para essa missão foi enorme para a época: nove naus, três caravelas e uma naveta de mantimentos. Naus são grandes embarcações que chegam a medir 35 metros. Caravelas são um pouco menores, medindo 22 metros. E uma naveta é um barco pequeno.

Durante a viagem, a frota sofreu um grande desvio e saiu do caminho planejado. Pretendia passar pela costa africana até à Índia e foi parar em terras brasileiras.

rota do descobrimento do Brasil
A linha vermelha representa a rota oficial. A linha verde representa a rota que realmente foi feita. 

A chegada dos portugueses nessas novas terras é denominada de “Descobrimento do Brasil”. A partir desse momento, eles tiveram contato com povos até então desconhecidos e vislumbraram um território muito diferente do que estavam acostumados.


Os portugueses tinham a intenção de chegar ao Brasil?

Não existe prova documental de que esse desvio tenha sido proposital, mas há evidência de que os portugueses sabiam que havia terras na região da América do Sul. Porém, saber que essas terras existem não necessariamente evidencia que a expedição de Cabral tinha a intenção de ir até o Brasil.

Historiadores se dividem sobre esse assunto. O historiador Thomas Giuliano, em entrevista ao documentário Brasil: A Última Cruzada, disse o seguinte sobre o tema:

“O processo de intencionalidade dos portugueses é um debate que perambulou uma ampla historiografia no Brasil e eu vou apresentar duas vertentes: Edson Nery da Fonseca e Gilberto Freyre, acompanhados de outros, defendiam a intencionalidade dos portugueses. Por sua vez, historiadores como Capistrano de Abreu e Varnhagen defendiam o processo da causalidade.”

Defender o processo da intencionalidade significa defender que os portugueses tinham a intenção de chegar às terras brasileiras. Já defender a causalidade é achar mais provável que o desvio aconteceu de maneira inesperada.

O historiador também pontuou que, para o português daquele tempo, a relevância desse debate é menor, pois não existe causalidade em um universo que existe a providência divina. Os portugueses encararam a missão do descobrimento do Brasil como fruto da vontade de Deus. 


Por que os portugueses se lançaram ao mar?

Portugal, ao lado da Espanha, foi pioneiro nas grandes navegações. O pequeno país europeu sempre conviveu muito próximo ao mar, não à toa o seu nome deriva do termo em latim Portus Cale, onde portus refere-se a porto e cale a caminho. Foram os 5 principais motivos que fizeram Portugal ser pioneiro nas grandes navegações:

  • Geografia de Portugal: existe uma proximidade muito grande do país com o mar.
  • Economia de Portugal: o país era dependente da rota terrestre que era controlada por outros países, era necessária uma outra alternativa.
  • Fé Cristã: o país via na expansão marítima a oportunidade de levar a palavra de Cristo ao resto do mundo.
  • Heroísmo: o português via nos mares uma missão que exigia honra e coragem.
  • Modernização do mundo: Portugal foi o primeiro Estado-nação, o que permitiu a centralização dos esforços em um interesse comum. Além de se destacar nas técnicas e na ciência da navegação. 

Geografia de Portugal

Observando o mapa da Europa, o motivo deste nome fica claro. Portugal é um país com grande parte do seu território com praias, e o mar sempre esteve próximo do seu povo. Assim, a geografia do país empurrou o sua população ao mar, impactando a sua economia e a alimentação com a pesca.

mapa atual da Europa - descobrimento do Brasil
Mapa atual da Europa.


Economia de Portugal

Portugal fica na região da Península Ibérica que é o extremo oeste europeu. Grande parte do comércio e exploração de matérias-primas, naquele tempo, ocorria na Ásia e África, já que a América era um território desconhecido.

Para chegar a essas regiões, Portugal tinha que seguir um caminho por terra que passasse pela Eurásia e, quando se usava a navegação, dependia do Mar Mediterrâneo. Este território era controlado por diferentes povos, assim sendo:

  • Portugal tinha seus produtos taxados com altos impostos;
  • não tinha segurança, sendo vítima de diversos roubos de cargas;
  • sofria com a instabilidade política da região que gerava inseguranças às mercadorias;
  • dependia da boa vontade de outros povos para manter seu comércio funcionando.

Achar uma outra rota comercial era uma necessidade para o país. O mar foi a possibilidade encontrada para se chegar à Índia passando pelo sul da África, pelo chamado Cabo das Tormentas que, depois de alcançado por Portugal, foi rebatizado de Cabo da Boa Esperança.


Fé Cristã

Tanto Portugal, quanto a Espanha, eram países católicos. Tendo-se em vista o espírito missionário cristão, o chamado à missão de espalhar o Evangelho pelo mundo, as grandes navegações eram de grande interesse da Igreja. Descobrir terras não exploradas era a chance de levar a Fé cristã a outros povos.

Este processo no qual clérigos vão a povos pagãos mostrar a palavra de Cristo é denominado de catequização.

A igreja administrava esses empreendimentos por meio das ordens religiosas, ou seja, grupos dentro da Igreja que propagavam a fé seguindo o modo e carisma do seu fundador. Por exemplo, os franciscanos se baseiam no modo como São Francisco de Assis agia e ensinava; os jesuítas baseiam-se em Inácio de Loyola e assim com as outras Ordens.

Toda a expansão marítima também foi incentivada pelas cruzadas. Cristóvão Colombo, por exemplo, tinha como objetivo encontrar ouro nas Américas para financiar a reconstrução da Espanha após a Guerra de Reconquista da Península Ibérica.

Cristóvão Colombo foi um importante navegador genovês que serviu ao governo espanhol na missão que descobriu a América. Porém, ele chegou à América do Norte, região que hoje corresponde aos Estados Unidos. Na América do Sul, mais precisamente no Brasil, Pedro Álvares Cabral foi o primeiro europeu a chegar.


Heroísmo

Um elemento intimamente ligado aos anteriores é o heroísmo. Os navegadores se lançaram no perigo ao enfrentar longas distâncias no mar, com poucas chances de voltar para casa.

Arriscar a sua vida no mar era para o português um ato heroico. Uma forma de mostrar o seu valor ao mundo. Assim como motivos externos, como a economia, motivos internos, como os ligados ao heroísmo, motivaram esses homens a se lançarem nessa aventura.


Modernização do mundo

Um dos fatores fundamentais para a expansão marítima foi o processo de modernização do mundo. Como Portugal foi o primeiro Estado-nação, ele passou a ter um governo mais centralizado que unia a energia dos diferentes povoados para conquistar os mares.

Também foi necessário investir no avanço científico e técnico da navegação. Embarcações mais eficientes e mecanismos de geolocalização contribuíram para que os portugueses conseguissem navegar. É nesse momento que surge a famosa “Escola de Sagres”, uma escola náutica criada pelo rei de Portugal que deu origem aos maiores especialistas em navegação.

Mesmo não sendo uma escola no sentido literal do termo, ou seja, uma instituição física, a Escola de Sagres foi um conjunto de metodologias que deram a base para que surgissem esses “pensadores da navegação”.

Continua…

Fonte:BrasilParalelo


Até mais!

Equipe Tête-à-Tête