Cem anos atrás, neste mês, delegados de várias partes do antigo Império Russo se reuniram em Moscou para criar a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas.

O mundo nunca mais seria o mesmo.

Antes desta declaração, um conflito interno colocou vários grupos com diferentes ideologias políticas uns contra os outros. À custa de mais de 10 milhões de mortos, os comunistas saíram vitoriosos. Sob Vladimir Lenin, eles consolidaram o poder para criar o primeiro estado comunista – uma experiência que fracassaria quase 70 anos depois.

As teorias políticas de Marx e Engels, conforme interpretadas por Lenin, foram aplicadas de maneiras que nunca foram pretendidas e criaram uma economia desprovida de experiência prática.

Como intelectuais de cabeça pontiaguda, Marx e Engels teorizaram uma ideia da história que viu o capitalismo perder força à medida que os trabalhadores ganhavam poder e criavam uma sociedade totalmente igualitária. Essas teorias geraram discussões interessantes entre acadêmicos e teóricos, mas nunca deveriam ter sido levadas a sério como base para o governo. Seria como fundar um novo sistema político baseado em uma combinação de “Fábulas de Esopo” e Mamãe Ganso.

Mas Lênin, como um idealista, acreditou na doutrina, e ela se tornou para ele uma religião baseada em um conceito binário de sociedade como capitalista ou socialista. Se o fim da história foi o declínio do capitalismo, por que não aceitar o inevitável, pular algumas etapas, acelerar o processo e abraçar uma forma de socialismo que estava fadada a ocorrer de qualquer maneira?

Essa crença preparou o cenário para a mais brutal concentração de poder que deixou incontáveis ​​milhões de mortos, tudo em nome de alcançar o paraíso dos trabalhadores. Se você precisa quebrar ovos para fazer uma omelete, então, para criar uma sociedade comunista, você teria que matar mais de 60 milhões de pessoas. Mas, pensavam Lênin e seus sucessores, a conquista valia o sacrifício… de outra pessoa.

Tal como acontece com muitos outros sonhos utópicos, nada foi baseado em qualquer experiência racional. Lenin falhou em considerar a natureza humana e que vários grupos podem se opor a suas metas e objetivos. Numa versão moderna distorcida do direito divino dos reis, a visão ungida de Lênin serviu de base para suas ideias e não podia ser questionada. Qualquer um que atrapalhasse era banido, se não executado sumariamente.

Ao invés de avançar, a história estava recuando.

Considere o nítido contraste com a fundação dos Estados Unidos.

Aqui, a experiência dos colonos formou a base da América. Em vez de descartar o sistema inglês de governo, adotamos o que funcionava, modificamos sistemas defeituosos e trocamos apenas o rei e o Parlamento por um presidente e o Congresso.

Ao contrário da experiência britânica transmitida ao novo mundo, a Rússia nunca experimentou realmente um Iluminismo que apoiasse a liberdade e a liberdade. De fato, a Rússia é uma triste história de um ditador firme que emite decretos sem pensar em obter consentimento, muito menos considerando as consequências para seus súditos.

Lênin e sua turma deslizaram facilmente para esse papel, mas inicialmente com os camponeses experimentando liberdades que nunca tiveram, havia uma certa euforia sobre esse novo estado. Eles se inscreveram e puderam ver que suas vidas poderiam melhorar. E, com qualquer mudança ou conversão, a novidade cria uma empolgação de que algo diferente está acontecendo. Camponeses anteriormente sob o jugo de seus senhores foram libertados e seu trabalho organizado para apoiar o novo sistema.

Mas isso não durou para sempre. Uma vez que eles provaram um pouco de liberdade, eles queriam mais. Mas com todas as coisas sendo iguais e escassas, a liberdade foi repartida e limitada.

Trabalhar para o bem comum foi um grande fator motivador e criou um entusiasmo inicial. Mas na URSS, sob o comunismo, o bem comum era decidido por outros. Qualquer senso de individualidade, criatividade ou ambição foi submetido ao controle do Estado, reduzindo a liberdade ao mínimo denominador comum.

Pessoas de outros países se reuniram para ver este novo paraíso dos trabalhadores onde a ganância, o lucro e o egoísmo foram eliminados e subjugados a uma nova visão. Mas, assim como a Rússia sob os czares, o que as pessoas viam era filtrado e limitado; a realidade era muito diferente.

A URSS teria seus apologistas que celebrariam as fábricas e fazendas coletivas e sonhariam com uma nova ordem mundial. Mas sob a superfície, toda dissidência era barrada, o medo dominava o dia e qualquer desacordo era recebido com punição severa e, em muitos casos, desaparecimento e morte.

Uma vez que Lenin morreu e Stalin abriu caminho até o topo, uma máquina de matar que superou em muito qualquer coisa vista antes de assassinar todos os rivais, banir dissidentes para a Sibéria e sistematicamente matar milhões de pessoas famintas.

Mas intelectuais de elite que não faziam distinção entre teoria e prática elogiavam as realizações de Stalin. A URSS estava à beira de algo grande e pessoas de todo o mundo foram convidadas a embarcar. Mas então Stalin aliou-se a Hitler, o que acabou com o maior otimismo sobre o futuro do regime de Stalin.

E mesmo quando Stalin se juntou à causa aliada, os relatos da brutalidade do Exército Vermelho não apenas para os nazistas, mas para seus próprios soldados eram inacreditáveis. Depois da guerra, o resto do mundo sabia que algo estava errado quando os prisioneiros de guerra soviéticos cometeram suicídio ao serem repatriados.

Durante seu concerto em Moscou, Paul Robeson ficou chocado ao saber da eliminação de intelectuais por Stalin. Outros ativistas também perceberam que o paraíso dos trabalhadores era um mito.

Depois de visitar a URSS, o líder sindical United Auto Workers, Walter Reuther, viu claramente que o movimento trabalhista americano precisava ficar claro. Para seu crédito, ele desmentiu qualquer líder trabalhista de qualquer milagre na URSS. Ele viu em primeira mão a exploração dos trabalhadores soviéticos e ancorou o trabalho em uma sociedade democrática.

Ronald Reagan seria criticado por chamar a URSS de “império do mal” e foi considerado pelos detratores como tendo um medo excessivo do comunismo. Como presidente, Reagan seguiria uma política agressiva de atrair a URSS para uma competição que eles não poderiam vencer. O Muro de Berlim caiu logo depois, a URSS se dissolveu e os críticos de Reagan foram silenciados quando sua avaliação foi justificada.

O nascimento da URSS há 100 anos é motivo para refletir sobre o indomável espírito humano que não pode ser contido por sistemas de governo que não promovem a liberdade sob o Estado de Direito.

Fonte:AIER


Até mais!

Equipe Tête-à-Tête