Busca

TÊTE-À-TÊTE

Ampliando conhecimentos

Categoria

POESIA

SONHADOR – POESIA DE CORDEL

Viver é um desafioDesafiar é viverPor isso eu vou vivendoSempre buscando aprenderPara não ser devoradoPela falta de saber. Se posso dou um sorrisoSe não posso, um lamentoMas não fico esperandoSonhando sou avarentoE busco sonhar meu sonhosAté no sopro do vento.... Continue lendo →

E TUDO VEM A SER NADA – POESIA DE CORDEL

Tanta riqueza inseridaPor tanta gente orgulhosa,Se julgando poderosaNo curto espaço da vida;Oh! que idéia perdida.Oh! que mente tão errada,Dessa gente que enlevadaNessa fingida grandezaJunta montões de riqueza,E tudo vem a ser nada. ... Autor: Silvino Pirauá de Lima Até mais!... Continue lendo →

BRASI CABOCO – POESIA DE CORDEL

O qui é Brasí Caboco?É um Brasi diferentedo Brasí das capitá.É um Brasi brasilêro,sem mistura de instrangero,um Brasi nacioná! É o Brasi qui não vesteliforme de gazimira,camisa de peito duro,com butuadura de ouro…Brasi caboco só veste,camisa grossa de lista,carça de... Continue lendo →

O REGRESSO

Como quem, vindo de países distantes fora de si,chega finalmente aonde sempre esteve e encontra tudo no seu lugar, o passado no passado, o presente no presente, assim chega o viajante à tardia idade em que se confundem ele e... Continue lendo →

EU SEI E VOCÊ SABE

Eu sei e você sabeJá que a vida quis assimQue nada nesse mundo levará você de mimEu sei e você sabeQue a distância não existeQue todo grande amorSó é bem grande se for tristePor isso meu amorNão tenha medo de... Continue lendo →

SONHADOR – POESIA DE CORDEL

Viver é um desafioDesafiar é viverPor isso eu vou vivendoSempre buscando aprenderPara não ser devoradoPela falta de saber. Se posso dou um sorrisoSe não posso, um lamentoMas não fico esperandoSonhando sou avarentoE busco sonhar meu sonhosAté no sopro do vento.... Continue lendo →

SOU CABRA DA PESTE – POESIA DE CORDEL

Eu sou de uma terra que o povo padeceMas não esmorece e procura vencer.Da terra querida, que a linda caboclaDe riso na boca zomba no sofrerNão nego meu sangue, não nego meu nomeOlho para a fome, pergunto o que há?Eu... Continue lendo →

AS PROEZAS DE JOÃO GRILO – POESIA DE CORDEL  

João Grilo foi um cristãoque nasceu antes do diacriou-se sem formosuramas tinha sabedoriae morreu depois da horapelas artes que fazia. ... João Martins de Athayde Até mais! Equipe Tête-à-Tête

AS MÃOS DE MEU PAI – MÁRIO QUINTANA

As tuas mãos tem grossas veiascomo cordas azuissobre um fundo de manchasjá da cor da terra— como são belas as tuas mãospelo quanto lidaram, acariciaramou fremiram da nobre cólera dos justos…Porque há nas tuas mãos, meu velho pai,essa beleza que... Continue lendo →

REVISÃO DE SENTENÇA

Ouvindo soar o apito, numa manhã de verão Tentei alcançar o trem, avisar-te, tudo em vão. Talvez desacreditando que eram favas contadas No meio da correria, pegaste a mala trocada. A minha, repleta de mim, levaste na tua partida A... Continue lendo →

O MAL E O SOFRIMENTO – POESIA DE CORDEL

Se eu conversasse com DeusIria lhe perguntar:Por que é que sofremos tantoQuando viemos pra cá?Que dívida é essaQue a gente tem que morrer pra pagar? Perguntaria tambémComo é que ele é feitoQue não dorme, que não comeE assim vive satisfeito.Por... Continue lendo →

MORRER DE AMOR, DE MARIA TERESA HORTA

Morrer de amorao pé da tua boca Desfalecerà peledo sorriso Sufocarde prazercom o teu corpo Trocar tudo por tise for preciso ... Maria Teresa Horta (1937) Até mais! Equipe Tête-à-Tête

TERROR DE TE AMAR NUM SÍTIO TÃO FRÁGIL COMO O MUNDO

Terror de te amar num sítio tão frágil como o mundo Mal de te amar neste lugar de imperfeiçãoOnde tudo nos quebra e emudeceOnde tudo nos mente e nos separa. ... Sophia de Mello Breyner Andresen (1919-2004) Até mais! Equipe... Continue lendo →

ANNABEL LEE – EDGAR ALLAN POE

For the moon never beams, without bringing me dreams   Of the beautiful Annabel Lee;And the stars never rise, but I feel the bright eyes   Of the beautiful Annabel Lee;And so, all the night-tide, I lie down by the side   Of... Continue lendo →

EDGAR ALLAN POE – UM SONHO DENTRO DE UM SONHO (A DREAM WITHIN A DREAM)

All that we see or seemIs but a dream within a dream Tudo o que vemos ou parecemosNão passa de um sonho dentro de um sonho  –  (tradução literal) Depois de O Corvo, este e Annabel Lee são os poemas mais citados... Continue lendo →

EDGAR ALLAN POE – O CORVO (THE RAVEN)

O Corvo  (The Raven) And the raven, never flitting, still is sitting, still is sittingOn the pallid bust of Pallas just above my chamber door;And his eyes have all the seeming of a demon’s that is dreaming,And the lamp-light o’er... Continue lendo →

ESTROFE NA POESIA E NA MÚSICA: O QUE É? É A MESMA COISA NAS DUAS?

Música e poesia são formas de arte que estão presentes há muito tempo na humanidade. Os primeiros registros de músicas e poesias são datados da pré-história. Enquanto a música combina diferentes ritmos e sons, seguindo uma pré-organização ao longo do... Continue lendo →

BEIJO ETERNO, DE CASTRO ALVES

O poema abaixo é um dos mais importantes exemplares da poesia romântica brasileira. Castro Alves pinta em sua lírica um amor pleno, idealizado e eterno. No entanto, como pertence à terceira fase do Romantismo, Castro Alves já inclui em seus... Continue lendo →

TENHO FOME DE TUA BOCA

Tenho fome de tua boca, de tua voz, de teu pêloe por estas ruas me vou sem alimento, calado,não me nutri o pão, a aurora me altera,busco o som líquido de teus pés neste dia.Estou faminto de teu riso resvalado,de... Continue lendo →

SONETO LXVI

Não te quero senão porque te queroe de querer-te a não querer-te chegoe de esperar-te quando não te esperopassa meu coração do frio ao fogo.Quero-te apenas porque a ti eu quero,a ti odeio sem fim e, odiando-te, te suplico,e a... Continue lendo →

CEM SONETOS DE AMOR, EXTRATO I

Matilde, nome de planta ou pedra ou vinho,do que nasce da terra e dura,palavra em cujo crescimento amanhece,em cujo estio rebenta a luz dos limões.Nesse nome correm navios de madeirarodeados por enxames de fogo azul-marinho,e essas letras são a água... Continue lendo →

O SONO DAS ÁGUAS

Há uma hora certa,no meio da noite, uma hora morta,em que a água dorme. Todas as águas dormem:no rio, na lagoa,no açude, no brejão, nos olhos d’água,nos grotões fundosE quem ficar acordado,na barranca, a noite inteira,há de ouvir a cachoeiraparar... Continue lendo →

A RUA DOS CATAVENTOS – MÁRIO QUINTANA

Da vez primeira em que me assassinaram,Perdi um jeito de sorrir que eu tinha.Depois, a cada vez que me mataram,Foram levando qualquer coisa minha. Hoje, dos meu cadáveres eu souO mais desnudo, o que não tem mais nada.Arde um toco... Continue lendo →

PAIXÃO INEVITÁVEL

Que se apaixonar é inevitável, e que as melhores provas de amor são as mais simples. Um dia percebemos que o comum não nos atrai, e que ser classificado como bonzinho não é bom. Um dia percebemos que a pessoa... Continue lendo →

AMIZADE INSEPARÁVEL – VINÍCIUS DE MORAES

Eu talvez não tenha muitos amigos. Mas os que eu tenho são os melhores que alguém poderia ter. Além disso tenho sorte, porque os amigos que tenho têm muitos amigos e os dividem comigo. Assim o meu número de amigos sempre aumenta, já que... Continue lendo →

O AMOR – FERNANDO PESSOA

O amor, quando se revela, Não se sabe revelar. Sabe bem olhar pra ela, Mas não lhe sabe falar.  Quem quer dizer o que sente Não sabe o que há de dizer. Fala: parece que mente Cala: parece esquecer  Ah, mas se ela adivinhasse, Se pudesse ouvir... Continue lendo →

TENHO TANTO SENTIMENTO – FERNANDO PESSOA

Tenho tanto sentimentoQue é frequente persuadir-meDe que sou sentimental,Mas reconheço, ao medir-me,Que tudo isso é pensamento,Que não senti afinal. Temos, todos que vivemos,Uma vida que é vividaE outra vida que é pensada,E a única vida que temosÉ essa que é... Continue lendo →

MEU DESTINO

Nas palmas de tuas mãosleio as linhas da minha vida.Linhas cruzadas, sinuosas,interferindo no teu destino.Não te procurei, não me procurastes –íamos sozinhos por estradas diferentes.Indiferentes, cruzamosPassavas com o fardo da vida…Corri ao teu encontro.Sorri. Falamos.Esse dia foi marcadocom a pedra... Continue lendo →

MEMÓRIA – DRUMMOND

Amar o perdidodeixa confundidoeste coração. Nada pode o olvidocontra o sem sentidoapelo do Não. As coisas tangíveistornam-se insensíveisà palma da mão Mas as coisas findasmuito mais que lindas,essas ficarão. ... Carlos Drummond de Andrade Até mais! Equipe Tête-à-Tête

OU ISTO OU AQUILO – CECÍLIA MEIRELES

Ou se tem chuva e não se tem sol,ou se tem sol e não se tem chuva! Ou se calça a luva e não se põe o anel,ou se põe o anel e não se calça a luva! Quem sobe... Continue lendo →

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑