Busca

TÊTE-À-TÊTE

Ampliando conhecimentos

Categoria

POESIA

MEU DESTINO

Nas palmas de tuas mãosleio as linhas da minha vida.Linhas cruzadas, sinuosas,interferindo no teu destino.Não te procurei, não me procurastes –íamos sozinhos por estradas diferentes.Indiferentes, cruzamosPassavas com o fardo da vida…Corri ao teu encontro.Sorri. Falamos.Esse dia foi marcadocom a pedra... Continue lendo →

MEMÓRIA – DRUMMOND

Amar o perdidodeixa confundidoeste coração. Nada pode o olvidocontra o sem sentidoapelo do Não. As coisas tangíveistornam-se insensíveisà palma da mão Mas as coisas findasmuito mais que lindas,essas ficarão. ... Carlos Drummond de Andrade Até mais! Equipe Tête-à-Tête

OU ISTO OU AQUILO – CECÍLIA MEIRELES

Ou se tem chuva e não se tem sol,ou se tem sol e não se tem chuva! Ou se calça a luva e não se põe o anel,ou se põe o anel e não se calça a luva! Quem sobe... Continue lendo →

MALDIÇÃO – BILAC

Se por vinte anos, nesta furna escura,Deixei dormir a minha maldição,_ Hoje, velha e cansada da amargura,Minha alma se abrirá como um vulcão.E, em torrentes de cólera e loucura,Sobre a tua cabeça ferverãoVinte anos de silêncio e de tortura,Vinte anos... Continue lendo →

MEUS SECRETOS AMIGOS – PAULO SANT’ANA

Tenho amigos que não sabem o quanto são meus amigos. Não percebem o amor que lhes devoto e a absoluta necessidade que tenho deles. A amizade é um sentimento mais nobre do que o amor, eis que permite que o... Continue lendo →

UM BEIJO – OLAVO BILAC

Foste o beijo melhor da minha vida,ou talvez o pior...Glória e tormento,contigo à luz subi do firmamento,contigo fui pela infernal descida!Morreste, e o meu desejo não te olvida:queimas-me o sangue, enches-me o pensamento,e do teu gosto amargo me alimento,e rolo-te... Continue lendo →

AMOR – ÁLVARES DE AZEVEDO

Amemos! Quero de amorViver no teu coração!Sofrer e amar essa dorQue desmaia de paixão!Na tu’alma, em teus encantosE na tua palidezE nos teus ardentes prantosSuspirar de languidez!Quero em teus lábios beberOs teus amores do céu,Quero em teu seio morrerNo enlevo... Continue lendo →

SABER VIVER – CORA CORALINA

Não sei…se a vida é curtaou longa demais para nós.Mas sei que nada do que vivemostem sentido,se não tocarmos o coração das pessoas. Muitas vezes basta ser:colo que acolhe,braço que envolve,palavra que conforta,silêncio que respeita,alegria que contagia,lágrima que corre,olhar que... Continue lendo →

DESPEDIDA – CECÍLIA MEIRELES

Por mim, e por vós, e por mais aquiloque está onde as outras coisas nunca estão,deixo o mar bravo e o céu tranqüilo:quero solidão. Meu caminho é sem marcos nem paisagens.E como o conheces? - me perguntarão.- Por não ter... Continue lendo →

AS SEM-RAZÕES DO AMOR -DRUMMOND

Eu te amo porque te amo,Não precisas ser amante,e nem sempre sabes sê-lo.Eu te amo porque te amo.Amor é estado de graçae com amor não se paga.Amor é dado de graça,é semeado no vento,na cachoeira, no eclipse.Amor foge a dicionáriose... Continue lendo →

MEU PAI

“Gosto de reverA imagem forte do meu paiTremendo o assoalhoAo caminharÉ doce me lembrarComo se temiaQuando ele perdiaA abotoaduraO guarda-chuvaA chave de fendaHoje é lendaA figura enigmáticaA disciplina duraA rotina sistemáticaO pai não morreEle corre na frentePra levantar o segredo... Continue lendo →

LUA ADVERSA – CECÍLIA MEIRELES

Tenho fases, como a luaFases de andar escondida,fases de vir para a rua…Perdição da minha vida!Perdição da vida minha!Tenho fases de ser tua,tenho outras de ser sozinha. Fases que vão e que vêm,no secreto calendárioque um astrólogo arbitrárioinventou para meu... Continue lendo →

CANÇÃO DO DIA DE SEMPRE – MÁRIO QUINTANA

Tão bom viver dia a dia...A vida assim, jamais cansa...Viver tão só de momentosComo estas nuvens no céu...E só ganhar, toda a vida,Inexperiência... esperança...E a rosa louca dos ventosPresa à copa do chapéu.Nunca dês um nome a um rio:Sempre é... Continue lendo →

CANTIGA PARA NÃO MORRER – FERREIRA GULLAR

Quando você for se embora,moça branca como a neve,me leve. Se acaso você não possame carregar pela mão,menina branca de neve,me leve no coração. Se no coração não possapor acaso me levar,moça de sonho e de neve,me leve no seu... Continue lendo →

PRIMAVERA – FLORBELA ESPANCA

É Primavera agora, meu Amor! O campo despe a veste de estamenha; Não há árvore nenhuma que não tenha O coração aberto, todo em flor! Ah! Deixa-te vogar, calmo, ao sabor Da vida… não há bem que nos não venha... Continue lendo →

CARTAS DE MEU AVÔ

A tarde cai, por demaisErma, úmida e silente…A chuva, em gotas glaciais,Chora monotonamente. E enquanto anoitece, vouLendo, sossegado e só,As cartas que meu avôEscrevia a minha avó. Enternecido sorrioDo fervor desses carinhos:É que os conheci velhinhos,Quando o fogo era já... Continue lendo →

ISSO É MUITA SABEDORIA – CLARISSE LISPECTOR

Quando fazemos tudo para que nos amem e não conseguimos, resta-nos um último recurso: não fazer mais nada. Por isso, digo, quando não obtivermos o amor, o afeto ou a ternura que havíamos solicitado, melhor será desistirmos e procurar mais... Continue lendo →

SONETO DO AMIGO – VINÍCIUS DE MORAES

Enfim, depois de tanto erro passadoTantas retaliações, tanto perigoEis que ressurge noutro o velho amigoNunca perdido, sempre reencontrado.É bom sentá-lo novamente ao ladoCom olhos que contêm o olhar antigoSempre comigo um pouco atribuladoE como sempre singular comigo.Um bicho igual a... Continue lendo →

TOMARA – VINÍCIUS DE MORAES

Que a tristeza te convençaQue a saudade não compensaE que a ausência não dá pazE o verdadeiro amor de quem se amaTece a mesma antiga tramaQue não se desfazE a coisa mais divinaQue há no mundoÉ viver cada segundoComo nunca... Continue lendo →

POÉTICA – VINÍCIUS DE MORAES

De manhã escureçoDe dia tardoDe tarde anoiteçoDe noite ardo. A oeste a morteContra quem vivoDo sul cativoO este é meu norte. Outros que contemPasso por passo:Eu morro ontem Nasço amanhãAndo onde há espaço:– Meu tempo é quando. ... Vinícius de... Continue lendo →

O AGREGADO E O OPERÁRIO – PATATIVA DO ASSARÉ

Sou matuto do Nordestecriado dentro da matacaboclo cabra da pestepoeta cabeça chatapor ser poeta roceiroeu sempre fui companheiroda dor, da mágoa e do prantopor isto, por minha vezvou falar para vocêso que é que eu sou e o que canto.Sou... Continue lendo →

OS POEMAS – MÁRIO QUINTANA

Os poemas são pássaros que chegamnão se sabe de onde e pousamno livro que lês.Quando fechas o livro, eles alçam vôocomo de um alçapão.Eles não têm pousonem porto;alimentam-se um instante em cadapar de mãos e partem.E olhas, então, essas tuas... Continue lendo →

AMOR – ÁLVARES DE AZEVEDO

Amemos! Quero de amorViver no teu coração!Sofrer e amar essa dorQue desmaia de paixão!Na tu’alma, em teus encantosE na tua palidezE nos teus ardentes prantosSuspirar de languidez!Quero em teus lábios beberOs teus amores do céu,Quero em teu seio morrerNo enlevo... Continue lendo →

O APANHADOR DE DESPERDÍCIOS – MANOEL DE BARROS

Uso a palavra para compor meus silêncios.Não gosto das palavrasfatigadas de informar.Dou mais respeitoàs que vivem de barriga no chãotipo água pedra sapo.Entendo bem o sotaque das águasDou respeito às coisas desimportantese aos seres desimportantes.Prezo insetos mais que aviões.Prezo a... Continue lendo →

DONA DOIDA – ADÉLIA PRADO

Uma vez, quando eu era menina, choveu grossocom trovoadas e clarões, exatamente como chove agora.Quando se pôde abrir as janelas,as poças tremiam com os últimos pingos.Minha mãe, como quem sabe que vai escrever um poema,decidiu inspirada: chuchu novinho, angu, molho... Continue lendo →

NA ILHA POR VEZES HABITADA – JOSÉ SARAMAGO

Na ilha por vezes habitada do que somos, há noites,manhãs e madrugadas em que não precisamos demorrer.Então sabemos tudo do que foi e será.O mundo aparece explicado definitivamente e entraem nós uma grande serenidade, e dizem-se aspalavras que a significam.Levantamos... Continue lendo →

LIVRE (CRUZ E SOUZA)

Livre! Ser livre da matéria escrava,arrancar os grilhões que nos flagelame livre penetrar nos Dons que selama alma e lhe emprestam toda a etérea lava. Livre da humana, da terrestre bavados corações daninhos que regelam,quando os nossos sentidos se rebelamcontra... Continue lendo →

RETRATO – CECÍLIA MEIRELES

Eu não tinha este rosto de hoje,Assim calmo, assim triste, assim magro,Nem estes olhos tão vazios,Nem o lábio amargo. Eu não tinha estas mãos sem força,Tão paradas e frias e mortas;Eu não tinha este coraçãoQue nem se mostra. Eu não... Continue lendo →

CANÇÃO DO AMOR-PERFEITO

Eu vi o raio de solbeijar o outono.Eu vi na mão dos adeuseso anel de ouro.Não quero dizer o dia.Não posso dizer o dono. Eu vi bandeiras abertassobre o mar largoe ouvi cantar as sereias.Longe, num barco,deixei meus olhos alegres,trouxe... Continue lendo →

ETERNA PRESENÇA – MÁRIO DE ANDRADE

Este feliz desejo de abraçar-te,Pois que tão longe tu de mim estás,Faz com que te imagine em toda a parteVisão, trazendo-me ventura e paz.Vejo-te em sonho, sonho de beijar-te;Vejo-te sombra, vou correndo atrás;Vejo-te nua, oh branco lírio de arte,Corando-me a... Continue lendo →

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑