Se por vinte anos, nesta furna escura,Deixei dormir a minha maldição,_ Hoje, velha e cansada da amargura,Minha alma se abrirá como um vulcão.E, em torrentes de cólera e loucura,Sobre a tua cabeça ferverãoVinte anos de silêncio e de tortura,Vinte anos... Continue lendo →