Busca

TÊTE-À-TÊTE

Ampliando conhecimentos

Tag

poesias

MORRER DE AMOR, DE MARIA TERESA HORTA

Morrer de amorao pé da tua boca Desfalecerà peledo sorriso Sufocarde prazercom o teu corpo Trocar tudo por tise for preciso ... Maria Teresa Horta (1937) Até mais! Equipe Tête-à-Tête

RUA DOS ROSTOS PERDIDOS

Este vento não leva apenas os chapéus,estas plumas, estas sedas:este vento leva todos os rostos,muito mais depressa. Nossas vozes já estao longe,e como se pode conversar,como podem conversar estes passantesdecapitados pelo vento? Não, não podemos segurar o nosso rosto:as mãos... Continue lendo →

DE AMOR NADA MAIS RESTA QUE UM OUTUBRO

De amor nada mais resta que um Outubro e quanto mais amada mais desisto: quanto mais tu me despes mais me cubro e quanto mais me escondo mais me avisto. E sei que mais te enleio e te deslumbro porque... Continue lendo →

SEGUE O TEU DESTINO, DE PESSOA

Segue o teu destino,Rega as tuas plantas,Ama as tuas rosas.O resto é a sombraDe árvores alheias.A realidadeSempre é mais ou menosDo que nós queremos.Só nós somos sempreIguais a nós-próprios.Suave é viversó.Grande e nobre é sempreViver simplesmente.Deixa a dor nas arasComo... Continue lendo →

REALIDADE – FLORBELA ESPANCA

Em ti o meu olhar fez-se alvorada,E a minha voz fez-se gorjeio de ninho,E a minha rubra boca apaixonadaTeve a frescura pálida do linho. Fulvo de Espanha, em taça cinzelada,E a minha cabeleira desatadaPôs a teus pés a sombra dum... Continue lendo →

AMIGA

Deixa-me ser a tua amiga, Amor;A tua amiga só, já que não queresQue pelo teu amor seja a melhorA mais triste de todas as mulheres. O que me importa a mim?! O que quiseresÉ sempre um sonho bom! Seja o... Continue lendo →

FANATISMO – FLORBELA ESPANCA

Minh’alma, de sonhar-te, anda perdida.Meus olhos andam cegos de te ver.Não és sequer razão do meu viverPois que tu és já toda a minha vida! Passo no mundo, meu Amor, a lerNo mist’rioso livro do teu serA mesma história tantas... Continue lendo →

MÃE – POR MÁRIO QUINTANA

Mãe, por Mário Quintana

ESTRELA PERIGOSA – CLARICE LISPECTOR

Estrela perigosaRosto ao ventoMarulho e silêncioleve porcelanatemplo submersotrigo e vinhotristeza de coisa vividaárvores já floresceramo sal trazido pelo ventoconhecimento por encantaçãoesqueleto de idéiasora pro nobisDecompor a luzmistério de estrelaspaixão pela exatidãocaça aos vagalumes.Vagalume é como orvalhoDiálogos que disfarçam conflitos por... Continue lendo →

WILLIAM WILSON – EDGAR ALLAN POE

“Era Wilson, mas Wilson sem mais sussurrar agora as palavras, tanto que teria sido possível acreditar que eu próprio falava, quando ele me disse: – Venceste e eu me rendo. Mas, de agora em diante, também estás morto… morto para... Continue lendo →

DEMÔNIO DA PERVERSIDADE – EDGAR ALLAN POE

citação de edgar allan poe

QUASE UM POEMA DE AMOR

Há muito tempo já que não escrevo um poemaDe amor.E é o que eu sei fazer com mais delicadeza!A nossa naturezaLusitanaTem essa humanaGraçaFeiticeiraDe tornar de cristalA mais sentimentalE baçaBebedeira. Mas ou seja que vou envelhecendoE ninguém me deseje apaixonado,Ou que... Continue lendo →

O AMOR

é o amorO amor é o amor -e depois?!Vamos ficar os doisa imaginar,a imaginar?... O meu peito contra o teu peito,cortando o mar,cortando o ar.Num leitohá todo o espaço para amar! Na nossa carne estamossem destino,sem medo,sem pudor,e trocamos -somos... Continue lendo →

CONFIANÇA

O que é bonito neste mundo, e anima,É ver que na vindimaDe cada sonhoFica a cepa a sonhar outra aventura...E que a doçuraQue se não provaSe transfiguraNuma doçuraMuito mais puraE muito mais nova... ... Miguel Torga (1907-1995) Até mais! Equipe... Continue lendo →

SÚPLICA

Agora que o silêncio é um mar sem ondas,E que nele posso navegar sem rumo,Não respondasÀs urgentes perguntasQue te fiz.Deixa-me ser felizAssim,Já tão longe de ti como de mim. Perde-se a vida a desejá-la tanto.Só soubemos sofrer, enquantoO nosso amorDurou.Mas... Continue lendo →

ANNABEL LEE – EDGAR ALLAN POE

For the moon never beams, without bringing me dreams   Of the beautiful Annabel Lee;And the stars never rise, but I feel the bright eyes   Of the beautiful Annabel Lee;And so, all the night-tide, I lie down by the side   Of... Continue lendo →

SENTIMENTAL – DRUMMOND

Ponho-me a escrever teu nomecom letras de macarrão.No prato, a sopa esfria, cheia de escamase debruçados na mesa todos contemplamesse romântico trabalho.Desgraçadamente falta uma letra,uma letra somentepara acabar teu nome!- Está sonhando? Olhe que a sopa esfria!Eu estava sonhando...E há... Continue lendo →

TEMPO DE IPÊ – DRUMMOND

Não quero saber de IPM, quero saber de IP.O M que se acrescentar não será militar,será de Maravilha.Estou abençoando a terra pela alegria do ipê.Mesmo roxo, o ipê me transporta ao círculo da alegria,onde encontro, dadivoso, o ipê-amarelo.Este me dá... Continue lendo →

CONSOLO NA PRAIA – DRUMMOND

Vamos, não chores.A infância está perdida.A mocidade está perdida.Mas a vida não se perdeu.O primeiro amor passou.O segundo amor passou.O terceiro amor passou.Mas o coração continua.Perdeste o melhor amigo.Não tentaste qualquer viagem.Não possuis carro, navio, terra.Mas tens um cão.Algumas palavras... Continue lendo →

O TEMPO PASSA? NÃO PASSA – DRUMMOND

O tempo passa? Não passano abismo do coração.Lá dentro, perdura a graçado amor, florindo em canção.O tempo nos aproximacada vez mais, nos reduza um só verso e uma rimade mãos e olhos, na luz.Não há tempo consumidonem tempo a economizar.O... Continue lendo →

NÃO SE MATE – DRUMMOND

Carlos, sossegue, o amoré isso que você está vendo:hoje beija, amanhã não beija,depois de amanhã é domingoe segunda-feira ninguém sabeo que será.Inútil você resistirou mesmo suicidar-se.Não se mate, oh não se mate,Reserve-se todo paraas bodas que ninguém sabequando virão,se é... Continue lendo →

MEMÓRIA – DRUMMOND

Amar o perdidodeixa confundidoeste coração.Nada pode o olvidocontra o sem sentidoapelo do Não.As coisas tangíveistornam-se insensíveisà palma da mãoMas as coisas findasmuito mais que lindas,essas ficarão. Em "Memória", o sujeito poético confessa que está confuso e magoado por amar aquilo... Continue lendo →

CANÇÃO FINAL – DRUMMOND

Oh! se te amei, e quanto!Mas não foi tanto assim.Até os deuses claudicamem nugas de aritmética.Meço o passado com réguade exagerar as distâncias.Tudo tão triste, e o mais tristeé não ter tristeza alguma.É não venerar os códigosde acasalar e sofrer.É... Continue lendo →

MÃOS DADAS – DRUMMOND

Não serei o poeta de um mundo caduco.Também não cantarei o mundo futuro.Estou preso à vida e olho meus companheiros.Estão taciturnos mas nutrem grandes esperanças.Entre eles, considero a enorme realidade.O presente é tão grande, não nos afastemos.Não nos afastemos muito,... Continue lendo →

AMAR – DRUMMOND

Que pode uma criatura senão,entre criaturas, amar?amar e esquecer, amar e malamar,amar, desamar, amar?sempre, e até de olhos vidrados, amar?Que pode, pergunto, o ser amoroso,sozinho, em rotação universal,senão rodar também, e amar?amar o que o mar traz à praia,o que... Continue lendo →

POEMA DE SETE FACES – DRUMMOND

POEMA DE SETE FACESQuando nasci, um anjo tortodesses que vivem na sombradisse: Vai, Carlos! ser gauche na vida.As casas espiam os homensque correm atrás de mulheres.A tarde talvez fosse azul,não houvesse tantos desejos.O bonde passa cheio de pernas:pernas brancas pretas... Continue lendo →

AMA-ME, DE HILDA HILST

Aos amantes é lícito a voz desvanecida.Quando acordares, um só murmúrio sobre o teu ouvido:Ama-me. Alguém dentro de mim dirá: não é tempo, senhora,Recolhe tuas papoulas, teus narcisos. Não vêsQue sobre o muro dos mortos a garganta do mundoRonda escurecida?Não... Continue lendo →

BEIJO ETERNO, DE CASTRO ALVES

O poema abaixo é um dos mais importantes exemplares da poesia romântica brasileira. Castro Alves pinta em sua lírica um amor pleno, idealizado e eterno. No entanto, como pertence à terceira fase do Romantismo, Castro Alves já inclui em seus... Continue lendo →

AMOR, DE ÁLVARES DE AZEVEDO

Amor, de Álvares de Azevedo, é um clássico poema da geração romântica brasileira. Seus versos ilustram uma época e uma postura de devoção, quase idealizada, entre um homem apaixonado e uma mulher que é basicamente contemplada. Embora o poema seja,... Continue lendo →

REINVENÇÃO – CECÍLIA MEIRELES

A vida só é possívelreinventada.Anda o sol pelas campinase passeia a mão douradapelas águas, pelas folhas...Ah! tudo bolhasque vem de fundas piscinasde ilusionismo... — mais nada.Mas a vida, a vida, a vida,a vida só é possívelreinventada.Vem a lua, vem, retiraas... Continue lendo →

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑