Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) é um organismo supranacional que tem como objetivo garantir a segurança de seus países-membros por meio de ações específicas.


Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) é um organismo internacional fundado no ano de 1949 no contexto da Guerra Fria. Sua história está vinculada à polarização política, principalmente na Europa, que se deu ao longo da segunda metade do século XX. O objetivo da Otan é garantir a segurança dos seus países-membros por meio de ações específicas.

Atualmente, a Otan conta com 30 países, sendo a maior organização político-militar do mundo. Ela realizou diversas operações militares ao longo das décadas. Os últimos anos marcaram a aproximação de diversos países com a Otan, dentre eles o Brasil, em termos de cooperação técnico-militar.


Resumo sobre a Otan

  • A fundação da Otan teve como marco inicial a assinatura do Tratado de Bruxelas (1948) e do Tratado de Washington (1949).
  • Atualmente, a Otan conta com 30 países-membros, com destaque para Estados Unidos, Reino Unido, França, Alemanha, Itália e Turquia.
  • O crescimento dessa organização perpassa objetivos militares e inclui ainda intercâmbios políticos e econômicos.
  • O principal objetivo da Otan é garantir a segurança dos seus países-membros por via política ou mesmo militar.
  • Os dois principais polos decisórios da Otan são os Representantes Militares e as Delegações da Otan.
  • A Otan realizou operações militares em zonas conflituosas do globo, como o Bálcãs, o Oriente Médio e o Norte da África.
  • O Brasil não faz parte da Otan, mas desde 2019 é tido como um parceiro dessa organização, chamado de aliado preferencial extra-Otan.

História da Otan

A Otan foi fundada em 1949, no contexto da Guerra Fria. A organização surgiu como uma ação político-militar regida por países europeus e americanos que tinham como objetivo formar uma união militar entre nações alinhadas. Sendo assim, foi firmado o Tratado de Bruxelas (1948) e, posteriormente, o Tratado de Washington (1949), que tinham como países participantes, dentre outros, importantes potências globais da época, como Estados Unidos, França e Reino Unido.

A história inicial da Otan envolve ainda outras motivações dos países fundadores, como a oposição aos regimes socialistas existentes no Leste Europeu e a contenção ao nacionalismo exacerbado evidenciado em muitas nações do Oeste Europeu. Com o passar dos anos, a Otan passou a admitir novos países-membros, como Canadá, Alemanha e Turquia, e também nações da antiga zona de influência soviética na Guerra Fria, como Estônia, Letônia, Lituânia e Polônia.

Atualmente, a Otan está consolidada como a principal aliança militar do mundo, com enorme poder de mobilização bélica. Há um total de 30 países participantes nessa organização, de três continentes diferentes, sendo eles América, Europa e Ásia.

Os interesses da Otan influenciam outras áreas além do âmbito militar, com destaque para a economia. Assim, a organização tem grande influência em decisões político-econômicas em nível mundial, em organismos como a Organização das Nações Unidas (ONU) e a União Europeia (UE).


Quais são os objetivos da Otan?

O objetivo da Otan, conforme disposto nos seus documentos oficiais, é garantir a liberdade e a segurança dos seus países-membros por meio de ações políticas e militares. O organismo deixa clara a sua função enquanto organização internacional voltada para fins de segurança. Portanto, a explicitação das intenções da Otan reafirmam o caráter dessa organização enquanto entidade político-militar que busca garantir a defesa dos seus países-membros, seja por meios diplomáticos ou militares.


Quais países fazem parte da Otan?

A Otan é composta atualmente por 30 países, localizados principalmente na Europa. O último país que passou a integrar a Otan foi a Macedônia do Norte, no ano de 2020. O quadro abaixo apresenta todos os países que fazem parte da Otan.

AlbâniaEstados UnidosLuxemburgo
AlemanhaEstôniaMacedônia do Norte
BélgicaFrançaMontenegro
BulgáriaGréciaNoruega
CanadáHolandaPolônia
CroáciaHungriaPortugal
DinamarcaIslândiaReino Unido
EslováquiaItáliaRepública Tcheca
EslovêniaLetôniaRomênia
EspanhaLituâniaTurquia

Qual a estrutura da Otan?

Como organização supranacional, a Otan envolve diversas nações que possuem um objetivo em comum. Logo, para o seu funcionamento, torna-se necessário que haja uma estrutura organizacional que busque a participação ativa de todos os países-membros nas decisões tomadas pelo bloco.

Seda da Otan, em Bruxelas.
A sede da Otan está localizada em Bruxelas (Bélgica). [1]

Os dois principais polos decisórios da Otan são os Representantes Militares e as Delegações da Otan. O primeiro grupo é formado pelos chefes de defesa do países-membros. Já o segundo é composto por um conjunto de especialistas de cada uma das nações participantes do bloco. Esses polos realizam reuniões recorrentes para tomada de decisões.

É importante destacar a participação dos diversos funcionários desse organismo, que auxiliam na produção de relatórios de consultoria que embasam as decisões da Otan. Há ainda a figura do secretário-geral da Otan, posição que representa o poder máximo dentro da organização.


Operações militares da Otan

As operações militares da Otan ocorreram majoritariamente nos últimos 30 anos, em regiões pontuais do globo, usualmente pontos de interesse de um ou mais países-membros. A lista abaixo apresenta as principais operações militares da Otan.

  • Guerra Iraque-Kuwait (1990): a Otan enviou tropas para a proteção de parte do território da Turquia durante o conflito ocorrido no Oriente Médio.
  • Guerra da Bósnia (1994): a Otan realizou diversos ataques aéreos na Sérvia para dissuadir as ações desse país durante a invasão da Bósnia e Herzegovina.
  • Intervenção do Kosovo (1999): a Otan atuou em Kosovo para conter os ataques sérvios e promover a estabilidade política da região.
  • Guerra do Afeganistão (2001): a Otan atuou de maneira decisiva na invasão do Afeganistão em apoio à Guerra ao Terror promovida pelos Estados Unidos.
  • Intervenção no Iraque (2004): a Otan realizou missões de apoio e treinamento ao governo iraquiano após a queda do ditador local como desdobramento da invasão estadunidense.
  • Intervenção na Líbia (2011): a Otan empreendeu ações militares na Líbia com o intuito de coibir distúrbios gerados no país a partir da Primavera Árabe.

Otan na atualidade

Atualmente, a Otan continua a visar a garantia da segurança dos seus países-membros, por meio de diversas ações que envolvem os âmbitos diplomático e militar. A organização representa a principal aliança militar do mundo na atualidade e conta com um grupo extenso de países-membros. Ademais, a Otan busca ampliar a adesão de novos países, especialmente em suas zonas de interesse, como a Ásia Central e o Oriente Médio.

A organização é um dos principais polos de poder do globo, em termos políticos, militares, econômicos e até mesmo culturais. A Otan é um polo de oposição tradicional aos países ditos não alinhados, como Irã e Coreia do Norte, e também de importantes potências globais, como Rússia e China. A tendência é que a Otan objete a China e a Rússia cada vez mais em busca do estabelecimento de zonas de influência em nível mundial.

Otan e o Brasil

O Brasil não faz parte da Otan, mas desde 2019 é tido como um parceiro dessa organização, chamado de aliado preferencial extra-Otan. Tal designação indica que o Brasil detém uma posição próxima àquela dos países que compõem a Otan em termos políticos e militares.

Esse cenário implica em benefícios ao Brasil em termos principalmente comerciais, como trocas de serviços e tecnologias entre os membros da Otan e as empresas brasileiras. Além disso, subentende-se que o Brasil é um importante mercado para venda de armas e equipamentos militares fabricados nos países-membros dessa organização.

Fonte:mundoeducacao


Até mais!

Equipe Tête-à-Tête