Freedom from Fear (em português: Liberdade de viver sem medo) é a última das quatro liberdades, série de pinturas produzida pelo artista americano Norman Rockwell e baseada nas metas conhecidas como “Quatro Liberdades”, enunciadas pelo trigésimo segundo presidente dos Estados Unidos, Franklin Delano Roosevelt, em seu Discurso sobre o Estado da União, proferido em 6 de janeiro de 1941. A pintura foi publicada na edição de 13 de março de 1943 do Saturday Evening Post, acompanhada por um ensaio do pensador Stephen Vincent Benét. A obra retrata crianças americanas sendo postas para dormir enquanto o Blitz é executado do outro lado do Atlântico, na Grã-Bretanha.

 Regionalism – coleção particular

Freedom from Fear é a última de uma série de quatro pinturas a óleo de Norman Rockwell, intitulada Quatro Liberdades, inspirada no Discurso das Quatro Liberdades do presidente Franklin Delano Roosevelt, entregue em 6 de janeiro de 1941 ao 77.º Congresso dos Estados Unidos. O tema das Quatro Liberdades acabou sendo incorporado à Carta do Atlântico, tendo também se tornado parte da Carta das Nações Unidas. A série foi impressa no The Saturday Evening Post, acompanhada por ensaios de escritores notáveis, por quatro semanas consecutivas no início de 1943: Freedom of Speech (20 de fevereiro), Freedom of Worship (27 de fevereiro), Freedom from Want (6 de março) e Freedom from Fear (13 de março). Posteriormente, as pinturas foram amplamente distribuídas em formato de pôster e tornaram-se fundamentais para os Estados Unidos na “Series E U.S. Savings Bonds”.

O Blitz foi uma campanha de bombardeio estratégico ocorrida no Reino Unido, comandada pela Alemanha durante a Segunda Guerra Mundial. Entre 7 de setembro de 1940 e 21 de maio de 1941, dezesseis cidades britânicas foram atingidas por grandes ataques aéreos. A partir do dia 7 de setembro de 1940, Londres foi bombardeada pela Luftwaffe durante 57 noites consecutivas. Estima-se que mais de um milhão de residências na capital britânica tenham sido destruídas ou danificadas durante o Blitz. Cerca de quarenta mil civis foram mortos, quase metade deles em Londres.

A pintura mostra duas crianças descansando em segurança em suas camas, ignorando os perigos deste mundo, enquanto seus pais as observam. A mãe ajeita o lençol e o pai mantém um jornal nas mãos, o qual noticia os horrores da guerra em curso. No entanto, sua atenção está totalmente voltada para os seus filhos, e não para as manchetes alarmantes. Numa outra interpretação, considera-se que as crianças já estão dormindo e que seus pais estão a vistoriá-los antes de também irem ao repouso. O pai é retratado como um “observador clássico” dos trabalhos de Rockwell, assumindo o papel de espectador dentro da pintura. Por estar segurando os óculos, assume-se que ele terminou de ler o Bennington Banner em sua mão. A manchete do jornal mostra “Bombings Ki … Horror Hit”, em referência ao Blitz. No fundo da cena, há um corredor iluminado e uma escadaria que conduz ao primeiro andar.

Segundo Rockwell, que não se importava muito com o trabalho, esse tema “foi baseado numa ideia bastante presunçosa. Pintada durante o bombardeio de Londres, que intencionava dizer: “Graças a Deus que podemos colocar nossas crianças para dormir com alguma sensação de segurança, sabendo que não serão mortas no meio da noite.”

Fonte:wikiart


Até mais!

Equipe Tête-à-Tête